Site criado em 25/01/2002
Agora 5 usuários on line Data: 23/4/2014
Home
Contato
 
HOME
Clique na foto

“Todos os homens nascem livres e iguais em dignidade e direitos”.
Declaração Universal dos Direitos do Homem.

“Ao deixar esta terra abençoada do Brasil, eleva-se na minha alma um hino de ação de graças ao Deus altíssimo... (E deixo-vos) na certeza do amparo maternal de Nossa Senhora da Penha, que ao seu Santuário, protege esta Cidade Maravilhosa.”
João Paulo II


“Tudo vale a pena quando a alma não é pequena.”
Fernando Pessoa.



A paz para todos

Ainda que o mundo pareça estar em permanente estado de guerra, reserve um pequeno espaço em seu coração para provar a Você mesmo que é possível encontrar a PAZ, nem que ela possa existir apenas dentro de Você. E seja magnânimo: distribua um pouco de sua felicidade com as pessoas que Você mais ama, com aquelas que admira e com as que apenas lhe sorriem ao cruzar o seu caminho.
Este mundo em que Você vive, também lhe pertence!

José Geraldo Pimentel



DIFERENÇAS DE ESTILO

Um militar que ama o Exército e sua pátria
O recruta 1001.

Um militar carreirista
Aconteceu em Brasília. (Sátira).

Ordem do Dia lida pelo comandante do Exército, Gen Enzo Martins Peri

O Exmo. Senhor general esqueceu-se de lembrar a ‘Intentona Comunista de 1935’ e os ‘50 Anos da Contrarrevolução de 1964’. Oficial carreirista, colaboracionista, não poderia agir de outra forma. Faz parte do modus operandi dos que se passaram de armas e bagagens para o lado do governo comunista da era Lula/Dilma Rousseff.




PAPEL DAS FORÇAS ARMADAS

“Os meios militares nacionais e permanentes não são propriamente para defender programas de Governo, muito menos a sua propaganda, mas para garantir os poderes constitucionais, o seu funcionamento e a aplicação da lei.”
Gen. Ex Humberto de Alencar Castelo Branco

A CARREIRA MILITAR

“A carreira militar não é uma atividade inespecífica e descartável, um simples emprego, uma ocupação, mas um ofício absorvente e exclusivista, que nos condiciona e autolimita até o fim. Ela não nos exige as horas de trabalho da lei, mas todas as horas da vida, nos impondo também nossos destinos. A farda não é uma veste, que se despe com facilidade e até com indiferença, mas outra pele, que adere à própria alma, irreversivelmente para sempre.”
General Octávio Costa

SOBRE VALORES
(Gen Maynard Marques de Santa Rosa).
Postado por JP Madeira.




Foi um rio…

“Foi um rio
Que passou em minha vida
E meu coração se deixou levar!”
(Paulinho da Viola).

José Geraldo Pimentel
Cap Ref EB

No início do mês escrevi um texto sobre os 366 anos de fundação do Exército brasileiro. Todos os anos me lembro da efeméride. Os dias se passaram, e quando achei que tinha uma página pronta capaz de representar bem esta data, eu a publiquei na véspera do dia 19 de abril. Um sábado que não seria lembrado por mais ninguém. Nem os índios que também festejam esta data como seu dia, foram lembrados pela mídia. Corri as listas de discussão que frequento e não vi uma única mensagem que se reportasse ao Dia do Exército.
O meu Exército fora esquecido. A única lembrança foi um vídeo em que aparece o Exmo. Senhor Comandante da Força, que primou em lembrar que não se deve olhar o passado por cima do ombro, referindo-se aos 50 ANOS DA CONTRARREVOLUÇÃO DE 31 DE MARÇO DE 1964 e a INTENTONA COMUNISTA DE 1935.
Comemorar essas datas é um pecado capital. Afinal estamos sob o signo do comunismo, aquele credo que o abortamos quando se pretendia impô-lo ao país nas décadas de 60/70. Os empedernidos comunistas que foram fragorosamente derrotados estão aí mandando e bordando. Pisam no pescoço da instituição militar e os chefes militares aplaudem os seus algozes.
- Minha presidentA está cuidando com carinho das Forças Armadas. Diz o comandante do Exército, general Enzo Martins Peri.
Cuidar para ele é distribuir dinheiro para pequenas obras de reparos em aquartelamentos. O armamento continua sucateado. Submarino afunda dentro do estaleiro, cruzador não navega por falta de manutenção, aviões deixam de voar e tanques de guerra vão ficando enguiçados em desfiles militares. O ilustre general nada vê porque nas paradas militares fica confinado em um palanque recuado, separado das autoridades civis. O que desfila a sua frente são os veículos que sobreviveram ao holocausto. Aí olha para o céu e nada acontece, porque a esquadrilha da fumaça também não desfilou. Se for à base naval do Rio de Janeiro irá presenciar o vexame de ver um submergível no fundo do tanque, ou um cruzador parado em algum lugar da Baia da Guanabara. Os soldados que desfilam a sua frente não estão de passos certos. Parece mais uma tropa de escolares. Se der uma caminhada, refazendo a trajetória do desfile, irá encontrar soldados sendo reanimados, desmaiados por inanição. Alimentação nos quartéis, tiros nos estandes, exercícios de ordem unida, passaram a ser temas de luxo! Esse o ‘cuidado’ dado pela Comandante-em-chefe das Forças Armadas.
- Para que FFAA se podemos terceirizar a segurança do país, recorrendo aos préstimos dos amigos Castros! Já temos a força paramilitar dos sem terra, o poderio das falanges criminosas que pululam as cidades. Contamos até com uma Força Nacional de Segurança Pública mais equipada e treinada do que as próprias Forças Armadas e Polícias Auxiliares! E estamos enquadrando a Polícia Federal.
Os chefes militares acreditam em promessas de reaparelhamento das FFAA, em unidades geradoras de energia atômica sendo criadas nos estados. Angra III claudica e não fica pronta nunca!
A indústria de material bélico logo estará funcionando a pleno vapor. Promete a ex-terrorista!
Aí eu perco a esportiva e pergunto para que serve um comandante de Força se ele é um frouxo, omisso, bajulador, e pouca ou nenhuma atenção dá à tropa! A se ter uma merda de um chefe militar igual a este, antes não tê-lo.
- General Enzo Martins Peri faça um favor às FFAA. Peça exoneração do cargo. Seja homem pelo menos uma vez na vida! Vossa Excia. envergonha o Exército. A senhora Maria do Rosário Nunes, aquela que apropriadamente foi chamada de ‘vagabunda’ pelo ilustre e digno capitão deputado federal Jair Bolsonaro, não o deixa em paz. Vive trepada em seu lombo a ditar ordens e Vossa Excia. não se emenda. Transformou-o num cachorrão. Um vira lata pestilento. Mostre que ainda lhe resta um pouco de dignidade, e esqueça o Exército. Vá procurar a sua praia, e se emporcalhe no chiqueiro de onde não deveria ter saído. Passe bem!

Rio de Janeiro, 21 de abril de 2014.

ESPECIAL DIA DO EXÉRCITO

Resposta aos que pensam que o Exército não mais existe!

19 de abril de 2014: 366.º ano da criação do Exército.

José Geraldo Pimentel
Cap Ref EB

19 de abril seria um dia igual a tantos outros em que os militares reverenciam a data da criação do Exército brasileiro. A tropa formada, a leitura da Ordem do Dia e um desfile militar onde se mostra o equipamento e o garbo do soldado brasileiro. Nestas ocasiões sempre estão presentes familiares dos militares e autoridades civis convidadas. Quando o evento ocorre em uma cidade do interior, maior é o entusiasmo, pois a população costuma viver e compartilhar a vida da unidade sediada no município. Os militares voltam para casa cheios de orgulho, felizes em pertencer a mais nobre das instituições do país, a mais conceituada e mais querida pela população. Os membros dessas corporações são partes integrantes da sociedade local. Tudo harmonizado num só laço de união e carinho. A pátria ali se transforma num pedacinho de um grande Brasil. O Brasil que aprendemos a amar e dar a vida se preciso for.
Eventualmente essa alegria não tem ocorrido nos últimos tempos. Deixamos que o nosso orgulho fosse ferido por indivíduos que não sentem o mesmo fervor pelo que nos pertencem. Seu chão, suas florestas, seus rios, suas montanhas, o ar que respiramos; e os seres vivos que abundam e povoam esses espaços. Um vazio corta os corações.
Estamos órfãos de comando. Um chefe militar é como se fora um pai em uma família.
Desgarrados, zanzamos tristes, à semelhança de milhões de criaturas que se veem jogadas pelas ruas, dormindo sob abrigos, atiradas como uns trastes num canto de viaduto, ao lado de uma casa comercial. E só se dão conta que são seres humanos quando o estômago começa a doer. E aí fica a última fronteira da dignidade humana. A fome! Levanta-se enrolado em um cobertor fétido e bate no vidro de um carro parado no sinal de trânsito.
- Me dá uma moeda. É para comprar um pão!
Passa do meio dia. O calor é insuportável, ou a chuva caiu à noite toda e molhou o corpo, que sente a frieza da água que lhe cortou as vísceras durante toda uma madrugada. Não sabe mais se pedir uma ajuda é normal, ou voltar ao abrigo no relento e esperar que a morte consuma o que restou de um ser sem projeto de vida, sem esperança. Só sabe que a morte poderia vir na hora em que estivesse dormindo. Seria um prêmio!
Não chegamos a tanto. Mas o desespero de um pai de família que ostenta uma posição social, aparentemente alta, como um oficial general; e surge a pressão da esposa, dos filhos, que pouco ou nada conhecem do drama que vive aquele homem cheio de orgulho, que passa para as outras pessoas um nível de vida elevado, quando muitos até imaginam que ser militar é dispor de uma situação financeira tranquila. Mas na realidade a tranquilidade é outra, são só aparências, que chega a enganar os próprios familiares. E é quando muitos caminham decididos para a gaveta da cômoda. Lá estão a sua salvação e a melhoria de vida de seus entes queridos. Não precisa ser realmente um oficial general. Um graduado também. E se ouve o estampido de um tiro. A bala atravessa o céu da boca e se aloja no crânio. Segue-se o silêncio da morte. As tristezas, os horrores, que muitas vezes deixaram de ser compreendidos! E morre o militar!
Chega o enterro. A salva de tiros, as coroas de flores, e o sepultamento.
O militar nunca deixa a família desamparada. Fica um pecúlio e um imóvel, algumas vezes modesto, e uma pensão. Pela primeira vez a viúva terá uma ‘vida de rainha’!
- Querida, vamos dar um passeio. Vamos almoçar naquele restaurante do shopping.
- Você sabe o que quero!
O que a esposa quer ele não pode dar. Uma casa alugada na praia.
Agora, sim, ela poderá alugar a casa de seus sonhos e caminhar todas as manhãs de sol. E mergulhar nas águas mornas de um mar acolhedor. Mas... Sem o esposo, o seu querido companheiro.
Mas não é apenas a situação financeira que está infelicitando a vida de muitos militares. O seu orgulho está ferido. Não entende como um chefe militar consegue suportar tanta humilhação. É-lhe negado subir no mesmo elevador em que estiver a presidente da república. Não pode assistir a uma parada de Sete de Setembro no mesmo palanque das autoridades civis. Em qualquer reunião, fica sempre colocado em uma posição de inferioridade, atrás, na terceira fila, ou na plateia junto aos ativistas políticos que costumam encher esses espaços. Sua sede é desalojada da Esplanada dos Ministérios, por ter a Força sido rebaixada de ministério para Comando Militar. Se for lançada uma publicação que enaltece ex-guerrilheiros que se confrontaram com os militares, o ministro da Defesa, empolgado com a plateia, ameaça exonerar de seus cargos os oficiais do Alto Comando do Exército, caso protestem contra o lançamento da obra. E depois diz de peito aberto que não tem medo de confrontamento com os militares! E não fica por aí! Uma secretária de direitos humanos se arvora a toda poderosa e manda as FFAA retirarem de seus sites a alusão à participação na derrubada do governo João Goulart. Obriga o comandante militar a assinar um acordo em que reconhece que na Academia Militar das Agulhas Negras se torturam os cadetes. E lá coloca uma placa conferindo essa infâmia. O ex-presidente da república diz em entrevista no exterior que não tem medo dos militares e só dá migalhas como reajuste salarial. Depois enaltece ex-guerrilheiros que lutaram contra os militares. Em reunião com a Comissão Nacional da Verdade o representante da entidade diz que não admitirá um novo golpe militar, referindo-se à contrarrevolução de 31 de Março de 1964. Todas essas infâmias foram ouvidas em silêncio, e calado permaneceu o chefe militar.
Um militar não é um cachorro, mas o atual comandante do Exército, confundindo covardia com disciplina militar, comporta-se como tal. O Exmo. Senhor General de Exército, Enzo Martins Peri, é um cachorro na acepção da palavra. Um cão vadio. Um homem desprovido de caráter. A sua permanência à frente da instituição militar, que dia 19 comemora a sua data de fundação, é um ultrajem não apenas ao Exército, mas às FFAA como um todo.
Precisamos levantar a cabeça. Somos soldados do Exército, não ratos de esgoto como imaginam os marginais que tomaram de assalto a nação brasileira. É bom que se lembre o Exmo. Senhor General comandante do Exército que na Segunda Guerra Mundial, os colaboradores dos nazistas que invadiram a França, foram enforcados no final da guerra. Não coloque a sua cabeça a prêmio. Reaja enquanto há tempo. Mostre para a presidente da república, senhora Dilma Vana Rousseff, que o Exército que defende a pátria, sabe ser altivo quando o repelem ou o maltratam como ela vem fazendo, e a sua trupe de bandidos. O fato de ter sido uma marginal, ex-terrorista, não lhe dá o direito de praticar uma vingança tão sórdida como a que vem fazendo. O fato de existir um silêncio obsequioso, quase covarde, vindo das autoridades militares, pode levantar a ira dos que não se deixam apedrejar impunemente. A arma de fogo que abateu três oficiais generais poderá ser apontada em outra direção. Aconselhe os seus amigos que se passam por justiceiros e pensam que levarão ao banco dos réus os militares que abortaram a marcha do país para o comunismo, regime que alimentou o seu coração durante a juventude, que não irão repetir a Argentina. Dê uma basta na trupe de vagabundos que a acompanha nesse governo de larápios, ou pagará caro! Não alimente um revanchismo histérico. Governe para todos os brasileiros, sem distinção partidária e ódio. Não fira o coração dos que amam esta pátria. Não dê um motivo patriótico para que uma daquelas armas volte a sair do armário e aponte em sua direção!

Rio de Janeiro, 08 de abril de 2014.



O PATRONO DO EXÉRCITO

Marechal Luiz Alves de Lima e Silva
Marechal Luiz Alves de Lima e Silva. Duque de Caxias, Patrono do Exército.
(1803 - 1880).

"Carregaram o seu féretro seis soldados rasos; mas, senhores, esses soldados que circundam a gloriosa cova e a voz que se levanta para falar em nome deles, são o corpo e o espírito de todo o Exército Brasileiro. Representam o preito derradeiro de um reconhecimento inextinguível que nós militares, de norte a sul deste vasto Império, vimos render ao nosso velho Marechal, que nos guiou como General, como protetor, quase como pai durante 40 anos; soldados e orador, humilde todos em sua esfera, muito pequenos pela valia própria, mas grandes pela elevada homenagem e pela sinceridade da dor".
Visconde de Taunay

Santo Expedito

Protetor dos militares.

É um santo da Igreja Católica Apostólica Romana. Popularmente considerado o Santo das causas justas e urgentes.
Foi comandante-chefe da XII Legião Romana, cognominada "Fulminante" - nome dado em memória de uma façanha que se tornou célebre - e aquartelada no distrito de Melitene, na Capadócia, sede de uma das províncias romanas da Armênia, no final do século III. Hoje uma pequena localidade chamada Melatia. A legião era formanda em sua maioria por soldados cristãos, sendo sua função primordial defender as fronteiras orientais contra os ataques dos bárbaros asiáticos. Santo Expedito destacou-se no comando dessa legião por suas virtudes de cristão e de chefe ligado a sua religião, a seu dever, à ordem e à disciplina.
Antes de sua conversão ao Cristianismo, tinha uma vida devassa e, quando prestes a converter-se, apareceu-lhe um espírito do mal, na forma de um corvo, grasnando "cras" - que em latim significa "amanhã" - mas esse grande santo pisoteou o corvo, bradando "hodie", que significa "hoje", confirmando sua urgente conversão.
Convertido, assim como toda a sua tropa, foi vítima da ira do imperador Diocleciano. A importância de seu posto fazia dele um alvo especial do ódio do imperador. Foi flagelado até sangrar e depois decapitado com espada, em 19 de abril de 303 d.c.
A devoção à memória de Santo Expedito começou em sua pátria, tomando proporção maior e atingindo o Oriente, depois o Ocidente, especialmente a Alemanha. Seu nome espalhou-se pela Itália, Espanha, França e Bélgica. Em 1894, teve um altar dedicado a ele na Capela das Religiosas Mínimas com sua estátua.
Crê-se que Santo Expedito ajuda pessoas com problemas urgentes e de difícil solução. O Santo é também protetor dos militares, estudantes, jovens e viajantes.
(Fonte: Wikipédia).

SUMÁRIO

EDITORIAL
. O papel do Exército no resguardo da soberania nacional.
Veja.

JUBILEU DA CONTRARREVOLUÇÃO DE 31 DE MARÇO DE 1964
. O país sob o tacão do comunismo faz o Exército calar. (José Geraldo Pimentel).
. As mentiras 'verdadeiras'. (Ives Gandra da Silva Martins).
. Balanço.

Veja.

O CERCO SE FECHA SOBRE AS FFAA E FORÇAS AUXILIARES
. AMAN vira alvo do ativismo político.
. Exército pede desculpas pela morte de cadetes da Aman.
. Cerimônia de reconhecimento de violações aos Direitos Humanos do cadete Lapoente.
. O Acordo de Solução Amistosa.

. Levante Popular da Juventude recebe Menção Honrosa.
. Nomes de logradouros e referências a feitos militares, apagados dos registros da história.
. Sinopse histórica suprimida de sites do Exército e ROTA/PMSP.
Veja.

A VIDA E A MORTE NA CARREIRA MILITAR
. Aos Cadetes das Academias Militares das Forças Armadas.
. A teoria que explica as mortes dos generais.
. Situação de praças, cabos, sargentos e sub-tenentes. (Ângela Lutz).
. A falta de estímulo pela carreira tem levado oficiais a pedir demissão.

Veja.

COLAPSO NAS FORÇAS ARMADAS
. Comandos Militares desalojados da Esplanada dos Ministérios.
. A discrepância salarial paga pela mesma fonte.
. Forças Armadas em situação de penúria.
. Orçamento militar previsto para 2014 não atende sequer ao custeio.
. Defesa em tempos de paz.

Veja.

HOMENAGEM ÀS ‘GUERREIRAS’
. A campanha do reajuste dos militares.
Veja.

ÚLTIMA PÁGINA
. Ensaio fotográfico incorporado à Biblioteca Nacional de Portugal.
Veja.

DESTAQUES

Falando de amor
José Geraldo Pimentel.

O cerceamento de liberdade de imprensa
Veja.

Revisão da Lei da Anistia
Veja.




EDITORIAL

"Sigam-me os que forem brasileiros.”
Marechal Luiz Alves de Lima e Silva

O papel do Exército no resguardo da soberania nacional

José Geraldo Pimentel
Cap Ref EB

No Dia do Exército, ao homenagear a instituição militar, gostaria de abrir um parêntese; e fazer algumas considerações sobre o nosso sistema de governo. Temos três poderes: O Executivo, o Legislativo e o Judiciário. As Forças Armadas são instituições, que pelo que rege a Constituição Brasileira, cabe-lhes o papel de mantenedora da soberana nacional, defendendo o território pátrio e as instituições democráticas.
Atualmente a democracia vive um de seus momentos mais graves da história republicana. Não se encontra um poder da República que esteja imune ao descrédito da opinião pública. O estado de promiscuidade e conivência entre o Executivo e os outros poderes, tem feito com que não se consiga separar quem é quem mais sujo neste jogo de sordidez moral.
O governo que se instalou em 2002, ungido ao poder com a áurea da ética e da moral pública, de repente deixou cair a máscara e se revelou o mais anárquico e indecente dos governos que o antecederam. E tem levado de roldão todos os outros poderes da República. Daí vem a necessidade da presença de uma Justiça, que ponha em ordem a desordem institucionalizada nos quatro cantos do país. Mas onde encontrar esta Justiça, que recolocaria em ordem o país; se a própria Justiça soçobrou no mar de lama que escorre pela rampa do Palácio do Planalto?
Acreditar que ainda possa existir justiça no Brasil, é imaginar o impossível. O que o Supremo Tribunal Federal e o Superior Tribunal de Justiça fizeram nos últimos meses, favorecendo criminosos com hábeas corpus preventivos, dando-lhes a garantia de permanecer calados perante as comissões instauradas no Congresso Nacional (CPIs), e negando às autoridades as quebras de sigilos telefônicos, bancários e fiscais, principalmente de quem poderia desmascarar o presidente da República com pagamentos de contas, não só dele, como de familiares, já é suficiente para no meu ponto de vista desacreditar por completo na nossa Justiça.
A Justiça sempre foi para mim a última instância de crença nas instituições. Hoje enxergo a Justiça brasileira como mais um braço de apoio do Executivo, sofrendo do mesmo descrédito da maioria das instituições brasileiras.
Só vejo um caminho para moralizar os costumes: Revertendo o fato em que o dinheiro deixe de fazer parte do esquema de troca de favores!
Voltaria a dar um crédito de confiança na Justiça se ela negasse o registro a candidaturas de parlamentares que renunciaram para escapar da cassação; ou de indivíduos envolvidos em práticas criminosas, que procuram uma vaga no Congresso Nacional para se livrar das penalidades da Lei; se não mandasse soltar criminosos de alto coturno, por “peninha” do cidadão; se não usasse de meandros jurídicos para prolongar em liberdade criminosos reconhecidamente culpados, até que seus crimes caiam no esquecimento e sejam favorecidos com penas menos pesadas, e até absolvições; se não abrandasse as penas de condenados por crimes considerados como hediondos; se deixasse de interferir nas ações do Congresso Nacional, protegendo criminosos amigos do poder; se fosse justa em seus julgamentos, tanto para com o rico e quanto para com o pobre. Mas a Justiça brasileira tarda, mas... atua sempre em favor dos ricos. Aos pobres mostra o caminho da porta do xadrez!
Sem uma justiça isenta e atuante, não tem salvação.
Resta a esperança que as FFAA brasileiras não sejam contaminadas por esta onda de descrédito geral. Que o espírito de Caxias fale mais alto nos corações de todos os militares, mantendo acesa a chama de luta, dignidade e honra que caracteriza o soldado brasileiro.
A soberania nacional precisa ser protegida; garantindo-se a posse do território nacional, de suas reservas minerais, florestas, mananciais de águas fluviais, costa marítima, indústrias, produção agrícola, propriedades urbanas e do campo, funcionamento pleno das instituições democráticas e a liberdade de seu povo. Estas atribuições são deveres das FFAA brasileiras, que saberão preservar, em todo o tempo, e a qualquer custo, mesmo com o sacrifício da própria vida de seus homens. Daí a importância de se ter um Exército forte e irmanado neste espírito de luta em defesa da pátria, patrimônio comum de todos nós brasileiros!

Rio de Janeiro, 16 de abril de 2006.

(Topo)

JUBILEU DE 31 DE MARÇO DE 1964

O pais sob o tacão do comunismo faz o Exército calar

José Geraldo Pimentel
Cap Ref EB

O dia 31 de marco de 2014 foi um dia triste para as Forças Armadas brasileiras. As autoridades militares, pressionadas pelo governo, calaram. Ainda não se tem noticia sobre comemoração dos 50 anos da contrarrevolução de 1964 em unidades militares, ou se houve uma Ordem do Dia assinada por um dos comandantes de Força. Do lado do governo choveu eventos e glórias ao que chamam de redemocratização do pais. Os terroristas e guerrilheiros de ontem que ameaçaram a nação querendo impor um regime de esquerda no estilo de Cuba, e sob a influência da ex poderosa URSS, puderam tudo. A presidente da república, no Palácio do Planalto, que já determinara ao Ministro da Defesa que não admitiria eventos militares que se reportassem a derrubada do governo João Goulart, declarou solenemente:
“- Lembrar e contar faz parte desse processo que iniciamos, de luta do povo, pela volta da liberdade, pela anistia, Constituinte, diretas, inclusão social, Comissão da Verdade... Por todos os processos de implantação e consolidação da nossa democracia, processo que foi construído passo a passo, por cada um dos governos eleitos depois disso”.
Nota-se a preocupação em lembrar a Comissão Nacional da Verdade, o instrumento que será usado para levar o Congresso Nacional a rever a Lei da Anistia, com o objetivo de repetir o que está acontecendo na Argentina: militares sendo julgados e condenados a longas penas de prisão, quando não a prisões perpétuas.
O Senado fez sessão especial para lembrar a contrarevolução de 1964, "O dia em que mergulhamos nas trevas", frisou um senador.
A Comissão Nacional da Verdade expediu uma nota dando o seu ponto de vista sobre os 50 anos da Contrarevolução de 1964. Uma explicação canhota que não conta a violação da lei que a criou, limitando o prazo dos esclarecimentos ao do período dos governos militares. Esconde os crimes praticados pelos terroristas e guerrilheiros, que assaltaram unidades militares para roubar armas e munições, bancos para roubar dinheiro, inclusive assaltando a residência do ex governador Ademar de Barros onde retiraram mais de 2 milhões dólares. Mentora intelectual do assalto: a senhora Dilma Vana Rousseff, presidente da república. Ladra e arquiteta de inúmeros crimes praticados por três das facções criminosas que infestavam o país. Os militantes da luta armada sequestraram embaixadores, assassinaram 120 pessoas; praticaram dois atentados terroristas; mas nada disso é levado em consideração pela CNV. Para a comissão e a súcia de bandidos que governa o pais, o fim justifica os meios.
Eis a súmula da nota expedida pela comissão:
“- A Comissão Nacional da Verdade nasceu com o objetivo de examinar e esclarecer as graves violações de direitos humanos praticadas no período. Baseia-se na convicção de que a verdade histórica tem como objetivo não somente a afirmação da justiça, mas também preparar a reconciliação nacional, como vem assentado no seu mandato legal. Esteia-se na certeza de que o esclarecimento circunstanciado dos casos de tortura, morte, desaparecimento forçado, ocultação de cadáver e sua autoria, a identificação de locais, instituições e circunstâncias relacionados à prática de violações graves de direitos humanos, constituem dever elementar da solidariedade social e imperativo da decência, reclamados pela dignidade de nosso país.”
Um grupo de elementos ligados ao Levante Popular da Juventude, ao Movimento dos Trabalhadores Sem-Terra (MST) e ao Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA), fizeram um ato simbólico à frente da residência do Cel Carlos Alberto Brilhante Ustra, em Brasîlia. O coronel Brilhante Ustra, chefiou o DOI-CODI de São Paulo durante o regime. Os participantes do ato nesta segunda-feira deixaram pichações no asfalto, cartazes e marcas de tinta vermelha em fotos de pessoas desaparecidas durante a ditadura. No asfalto, os manifestantes escreveram “aqui mora um torturador”. No muro, foi afixado um cartaz escrito “se não há justiça, há escracho público”.
Para o ex presidente da república, Fernando Henrique Cardoso, as FFAA deveriam pedir desculpas.
“- Nem esquecimento, nem revanche. Mas, para o acerto de contas do país com o passado marcado pela brutalidade das torturas e demais violações aos direitos humanos, as Forças Armadas brasileiras deveriam reconhecer que erraram.” Declara o ex presidente em entrevista ao Valor Econômico. Esquece de sugerir o mesmo aos militantes da luta armada. Poderia sugerir a cassação da ‘bolsa ditadura’; aquele agrado que enriquece milhares de oportunistas que se passam por vítimas do regime militar.
O ex presidente Fernando Henrique Cardoso vai passar para a história como o anedotário que não perdia a oportunidade quando se encontrava no exterior, em suas múltiplas viagens, para achincalhar a imagem do trabalhador brasileiro. Censurou a classe dos professores dizendo que se aposentavam com menos de cinquenta anos de idade. Ele próprio seria um desses beneficiários, acumulando “n” aposentadorias ao deixar o governo. Falou em moralização na administrativa pública, referindo-se aos benefícios que os funcionários levavam para casa, ao se aposentarem. Os únicos que saíram prejudicados foram os militares que eliminaram as vantagens com as quais melhoravam o bruto dos vencimentos.
Este posicionamento do ex presidente Fernando Henrique Cardoso, mostra que o pais não tem oposição. Come nas mãos do governo federal. Basta ver as viagens faraônicas que a presidente Dilma, ou o ex presidente Lula, realizam para o exterior, nababescamente hospedando-se nos melhores hotéis por onde passam, mesmo havendo acomodações nas embaixadas brasileiras. Nessas viagens sempre estiveram presentes os ex presidentes civis José Sarney, Fernando Collor de Mello, Jose Alencar e Fernando Henrique Cardoso. As mordomias estabelecidas em portaria pelo ex presidente Lula para os presidentes que deixam o governo, mantém esse laço de gratidão com o Partido dos Trabalhadores. Ninguém consegue fazer uma oposição sistemática quando deve favores. As benesses são tão compensadoras que o maior partido que se poderia incluir na oposição (PMDB), dispensa a indicação de um candidato para concorrer à presidência da república. A participação no governo é tranquila, e não compensa uma campanha que pouco acrescentaria em dividendos se elegesse o presidente da república.
Estão colocando as FFAA de joelhos. Atendendo a Comissão Nacional da Verdade, mais conhecida como “comissão da calúnia”, o ministro da Defesa resolveu que serão criadas diversas comissões para investigar atos de violação dos direitos humanos ocorridos em unidades militares durante os governos militares. Sete instalações, quatro situadas no Rio de Janeiro, RJ.
Será uma “grande revisão histórica” segundo especialistas. As FFAA pedirão desculpas à nação por tê-la defendido das garras dos que queriam anexá-la a União das Repúblicas Socialistas Soviéticas. E o caminho estará aberto para que o Congresso Nacional revise a Lei da Anistia e se possa levar a um tribunal de exceção, julgar e condenar os agentes do Estado. A presidente Dilma Rousseff diz que não proporá a revisão da Lei de Anistia, mas não se oporá ao debate sobre o assunto. O Congresso Nacional dá demonstrações que reverá a Lei da Anistia. O Supremo Tribunal Federal, agora com uma maioria de elementos ligados ao governo, poderá mudar a interpretação da lei, como se manifestou um de seus membros. Os comandantes de Forças deram as costas para os seus companheiros de farda. Para eles é seguir a tendência geral, mesmo que traiam a instituição militar, negando as ordens dos seus antecessores que criaram os DOI-CODI para reprimir os militantes da luta armada. E aos agentes do Estado restará caminhar para o abatedouro como ‘gados fardados’, ou formar um grupo de extermínio, começando pela eliminação dos que estão os entregando em uma badeja de prata ao inimigo. Eu faria isso se estivesse na pele de um militar ou policial militar e civil, que deu combate aos terroristas e guerrilheiros. Bandido não tem cara; tanto pode ser um marginal que faz parte do governo, quanto um covarde que veste uma farda e não a honra!
Ninguém pensa em propor criar uma comissão para investigar as 120 mortes, algumas praticadas com requintes de crueldades pelos ex terroristas e ex guerrilheiros. Ninguém se lembra que a repressão só existiu porque esses grupos de criminosos desestabilizavam as instituições e levavam pânico a população. Seria a mesma coisa que cruzar os braços enquanto bandidos invadem os seus lares, roubam, estupram a mulher e filhas, e ameaça matar o chefe de família. A repressão tem legitimidade. Errado foi não ter eliminado toda essa cachorrada que hoje posa de heróis nacionais. Bandido bom é bandido morto!
Onde há efeito existe a causa. Desnecessário apontar os responsáveis por este avanço em direção a mudança de regime político no pais; desnecessário apontar os responsáveis pelos ataques sistemáticos que se fazem contra as FFAA brasileiras, em especial contra os que receberam ordens para cessar a violência que campeava no pais, desestruturava a economia e quebrava a disciplina militar.
Os comandantes militares mergulhados em um silêncio obsequioso, confundem covardia com disciplina militar. Precisam dar uma explicação a tropa. Culpas também cabem aos militares que atendem às convocações feitas por esta comissão que se deslegitimou, quando mudou o rumo traçado pela lei, transformando-se em um órgão de vingança. Os militares agem de maneiras tão infantis que alguns generais e coronéis chegam a depor perante um grupo de jovens ativistas políticos alçados aos pomposos postos de “consultores técnicos”. Muita pobreza de espirito!
- Nome e posto, Senhor!
Um Exército comandado por um bando de oficiais pouco afeitos a atitudes, omissos e bajuladores, perde a essência de sua existência.
As FFAA estão ganhando o formato de uma guarda pretoriana. E vai piorar quando os novos instrutores de direitos humanos recentemente preparados em palestras realizadas por especialistas em direitos humanos, brasileiros e estrangeiros convidados pela SEDH/PR, começarem a ministrar aulas nas academias militares e escolas de graduados. Os instrutores deixarão em segundo plano o rigor no preparo do combatente. Nada de excessos e ameaças de acidentes durante a instrução. O Exército formado de mocinhos não dará alternativa a nação, senão terceirizar a segurança do pais!
O Exército não deve e nem pode pedir desculpas a nação por tê-la defendido. Deveria ser glorificado. Se um comandante de Força fizer uma mea culpa, não estará representando a instituição militar.

Rio de Janeiro, 01 de abril de 2014.

As mentiras 'verdadeiras'

Ives Gandra da Silva Martins

"Comparados ao carniceiro profissional do Caribe (Fidel Castro), os militares brasileiros parecem escoteiros destreinados apartando um conflito de subúrbio".
In O Homem Mais Lúcido do Brasil - as melhores frases de Roberto Campos, p. 53, organização Aristóteles Drummond. (Ed. Resistência Cultural, 2014).

Na memória dos 50 anos do Movimento de 1964, que derrubou o governo Jango, tem sido ele criticado pelos que fizeram guerrilha, muitos deles treinados na sangrenta ditadura de Cuba e que objetivavam implantar um regime semelhante no Brasil, ao mesmo tempo que se vangloriam como sendo os únicos e verdadeiros democratas nacionais. Assim é que a própria Comissão da Verdade se negou a examinar os crimes dos que pegaram em armas - muitos deles terroristas, autores de atentados a shoppings e de homicídio de inocentes cidadãos -, procurando centrar-se exclusivamente nos praticados pelo governo militar, principalmente nas prisões onde houve tortura.
A primeira é a de que foram os militares que quiseram a derrubada do governo. Na verdade, foi o povo que saiu às ruas, com o apoio da esmagadora maioria dos jornais, como se pode ver pelas fotografias do dia 19 de março de 1964 na Praça da Sé, diante das sinalizações do governo de que pretendia instalar o comunismo no Brasil. Depois do fatídico 13 de março, em que Jango incitou os sargentos a se rebelarem contra a hierarquia militar, até mesmo nomeando um oficial-general de três estrelas para comandar uma das Armas, os militares apenas atenderam ao clamor popular para derrubá-lo.
A segunda mentira é a de que a repressão militar levou à morte de milhares de opositores. Entre combatentes da guerrilha, mortes nas prisões ou desaparecimentos, foram 429 os opositores que perderam a vida, conforme Fernão Lara Mesquita mostrou em recente artigo publicado no Estado. Por sua vez, os guerrilheiros, entre inocentes mortos em atentados terroristas e soldados em combate, mataram 119 pessoas.
Comparados com os paredóns de Fidel Castro, que sem julgamento fuzilou milhares de cubanos, os militares foram, no máximo, aprendizes desajeitados.
A terceira mentira é a de que o movimento militar prejudicou idealistas, que só queriam o bem do Brasil. Em comissão pelos próprios opositores do governo de então organizada, foram indenizadas 40.300 pessoas com a fantástica importância de R$ 3,4 bilhões.
Eu poderia ter requerido indenização, pois o pedido do confisco de meus bens e a abertura de um IPM contra mim prejudicaram, por anos, minha carreira profissional. Mas não o fiz, pois minha oposição, à época, ao regime não era para fazer, mais tarde, um bom negócio, com ressarcimentos milionários.
A quarta mentira é a de que os democratas recém-convertidos queriam uma plena democracia para o Brasil. A atitude de "admiração cívica" da presidente Dilma Rousseff ao visitar o mais sangrento ditador das Américas, Fidel Castro, em fotografia estampada em todos os jornais, assim como o inequívoco apoio ao aprendiz de ditador que é Nicolás Maduro, além de aceitar o neoescravagismo cubano, recebendo médicos da ilha - tratados, no Brasil, como prisioneiros do regime, sobre ganharem muito menos do que seus colegas que integram o programa Mais Médicos -, parecem sinalizar exatamente o contrário. Apesar de viverem sob as regras da democracia brasileira, há algo de um saudosismo guerrilheiro e uma nostalgia que revela a atração inequívoca por regimes que ferem os ideais democráticos.
E para não me alongar mais neste artigo, a quinta mentira é a de que o Brasil regrediu naquele período. Nada é menos verdadeiro. Durante o regime militar os ministros da área econômica eram muito mais competentes que os atuais, tendo inserido o Brasil no caminho das grandes potências. Tanto que, ao final, o Brasil estava entre as dez maiores economias do mundo. Hoje, com o crescimento da inflação, a redução do PIB, o estouro das contas públicas, o desaparecimento do superávit primário do início do século, os déficits do balanço de pagamentos e a destruição dos superávits da balança comercial, além do aparelhamento da máquina pública por não concursados - amigos do rei -, o País vai perdendo o que conquistara com o brilhante Plano Real, do presidente Fernando Henrique Cardoso.
O ministro Torquato Jardim, em palestra em seminário na OAB-SP, que coordenei, sobre Reforma Política (2/4), ofereceu dados alarmantes. O presidente Barack Obama, numa economia quase oito vezes maior que a do Brasil, tem apenas 200 cargos comissionados. A presidente Dilma tem 22 mil!
Tais breves anotações - mas já longas para um artigo - objetivam mostrar que, em matéria de propaganda, Goebbels, titular de comunicação de Hitler, tinha razão. Uma mentira dita com o tom de verdade, pela força da propaganda que o poder oferece, passa a ser uma "verdade incontestável".
Espero que os historiadores futuros contem a realidade do período, a qual não pode ser contada fielmente por "não historiadores" que se intitulam mentores da "verdade", ou por comissões com esse estranho nome criadas.

(*) Professor emérito das UNIVERSIDADES MACKENZIE, UNIP, UNIFIEO, UNIFMU, do CIEE/O ESTADO DE S. PAULO, da ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO e da ESCOLA SUPERIOR DE GUERRA, é presidente do CONSELHO SUPERIOR DE DIREITO DA FECOMÉRCIO-SP, fundador e presidente HONORÁRIO DO CENTRO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA.
(O Estado de S.Paulo, 19 de abil de 2014).

Balanço
Veja.

(Topo)

O CERCO SE FECHA SOBRE AS FFAA E FORÇAS AUXILIARES


. AMAN vira alvo do ativismo político.
. Exército pede desculpas pela morte de cadetes da Aman.
. Cerimônia de reconhecimento de violações aos Direitos Humanos do cadete Lapoente.
. O Acordo de Solução Amistosa.

. Levante Popular da Juventude recebe Menção Honrosa.
. Nomes de logradouros e referências a feitos militares, apagados dos registros da história.
. Sinopse histórica suprimida de sites do Exército e ROTA/PMSP.

AMAN vira alvo do ativismo político

"Sr. Comandante do Exército:

Impossibilitado de comparecer, embora convite tornado público pela Secretaria de Direitos Humanos da PR, dia 8 de Outubro, às 15:00 horas, na AMAN, para o descerramento de placa, imposta por "Acordo de Solução Amigável", negociado com a "Comissão Interamericana de Direitos Humanos da OEA", acordo este que fere as mais caras tradições de nossa Força, ofende a Justiça Militar brasileira, afronta a Soberania Nacional e denigre a imagem do Santuário Sagrado, para milhares de oficiais ali formados, que é a AMAN, desejo, por meio deste, declarar a minha total inconformidade com a realização de tal ato.
Para assinalar o revanchismo explícito que encerra a "cerimônia", lembro que, na mesma data, 8 de Outubro, em que saboreiam a aceitação passiva do injustificável achincalhe à Instituição e a todos nós, militares de ontem, de hoje e do amanhã, pois, mancha histórica indelével, celebram, vitoriosos, os remanescentes perdedores de 64 e seus adeptos atuais, na contramão da História, a morte do revolucionário guerrilheiro e terrorista Che Guevara.

Gen Bda Marco Antonio Felicio da Silva."

Exército pede desculpas pela morte de cadetes da Aman

Márcio Lapoente da Silveira tinha 22 anos quando morreu em curso de formação de oficiais.

Por Mário Augusto Jakobskind

Em cerimônia com muita emoção, o Exército Brasileiro pediu oficialmente desculpas aos familiares do cadete Márcio Lapoente da Silveira, morto há 22 anos, em 9 de outubro de 1990, devido a torturas e maus tratos durante curso na Academia Militar das Agulhas Negras (Aman). O Comandante do Exército, General Enzo Martins Peri, presente ao ato de reconhecimento, saudou Márcia Lapoente da Silveira, a mãe de Márcio em nome da corporação e afirmou que o ato enfatizava o pedido de desculpas oficiais do Estado brasileiro pela ocorrência.

Mais pelos Direitos Humanos
Ao discursar antes de descerrar uma placa alusiva ao filho e demais cadetes mortos, Márcia Lapoente da Silveira lembrou que a sua família adotou o lema “Esqueçamos o luto e vamos à luta“ que resultou no reconhecimento oficial do excesso cometido pelo Exército. A mãe do cadete morto na Aman, em seu discurso exortou os militares a respeitarem os direitos humanos e darem ênfase a essa matéria nos currículos de formação dos oficiais militares.
Márcia Lapoente da Silveira homenageou também o marido Sebastião Alves da Silveira, pai de Márcio, já falecido, que junto com ela participou da mobilização para que a morte do filho e demais cadetes não fosse esquecida.

Anos de Luta
A mãe do cadete morto na Aman lembrou os anos de luta para que o Exército reconhecesse o que tinha sido feito ao filho e demais cadetes, luta assumida pelo Grupo Tortura Nunca Mais, cujos integrantes, entre os quais a presidente Victoria Grabois e Cecilia Coimbra, participaram da cerimônia. Elas consideraram a cerimônia “um ato histórico de suma importância”.
Na placa descerrada consta que “O Exército brasileiro e a Academia Militar de Agulhas Negras homenageiam o cadete Márcio Lapoente da Silveira e demais cadetes falecidos quando estavam em instrução decorrente da Formação de Oficiais”.

Garantias do Estado
Foi enfatizado no pedido de desculpas do Exército que cabe ao Estado brasileiro assegurar a vida dos que estiverem em dependências sob sua responsabilidade e que tais fatos não se repitam mais. Com isso foi admitido a ilegalidade cometida contra Márcio Lapoente da Silveira e demais cadetes. Não foi informado o total de cadetes mortos em circunstâncias idênticas a Márcio.
Além do Comandante da Aman, general de Brigada Júlio Cesar de Arruda, estiveram presentes dezenas de oficiais militares de várias patentes, alguns deles chegaram às lágrimas, tendo André Saboia representado a ministra Maria do Rosário, da Secretaria Especial dos Direitos Humanos da Presidência da República.

Silêncio da Mídia
Ao final da cerimônia foi rezado um “Pai Nosso” pelo capelão militar da Aman, que abençoou as placas em homenagem a Márcio e demais vítimas da reconhecida truculência dos militares. Em seguida houve o toque de silêncio.
Apesar de informados sobre a cerimônia na Aman, nenhum órgão de imprensa cobriu o ato de pedido de desculpas do Exército.
(Site da Revista Caros Amigos, 09 Outubro 2012).

Presentes à cerimônia:
- Comandante do Exército, General Enzo Martins Peri. ‘Saudou Márcia Lapoente da Silveira, a mãe de Márcio, em nome da corporação e afirmou que o ato enfatizava o pedido de desculpas oficiais do Estado brasileiro pela ocorrência.’ (Em outras palavras assumiu que o Exército torturou e matou o cadete Lapoente nas dependências da Academia Militar das Agulhas Negras).
- Grupo Tortura Nunca Mais representado por Victoria Grabois (presidente do grupo) e Cecilia Coimbra.
- Comandante da Aman, general de Brigada Júlio Cesar de Arruda.
- Secretaria Especial dos Direitos Humanos da Presidência da República. André Saboia representou a ministra chefe da secretaria, Maria do Rosário Nunes.
- Márcia Lapoente da Silveira, mãe do cadete Márcio Lapoente da Silveira. Descerrou a placa alusiva à homenagem ao filho.

NOTA DA SEDHPR

Cerimônia de reconhecimento de violações aos Direitos Humanos do cadete Lapoente

Cerimônia pública de reconhecimento da responsabilidade do Estado pela violação dos Direitos Humanos de Márcio Lapoente da Silveira será realizada nesta segunda-feira, 8 de outubro.

Márcio Lapoente da Silveira, cadete das Forças Armadas, faleceu, em treinamento, no dia 09 de outubro de 1990 na Academia Militar das Agulhas Negras (AMAN).
A família inconformada e protegida por todas as garantias do Estado Democrático de Direito – constitucionais e internacionais – valeu-se de ações contra os perpetradores, tanto na esfera criminal (para responsabilizar pessoalmente o comandante que acompanhava o treinamento na data dos fatos), como para buscar a necessária reparação, que jamais poderia ser plena em razão da inviabilidade do retorno daquele cuja vida fora ceifada.
Com a demora na solução do caso, a família acionou a Comissão Interamericana de Direitos Humanos da organização dos Estados Americanos (CIDH/OEA), pedindo a condenação do Estado Brasileiro pela não punição criminal do causador direto do evento criminoso e pela injustificada demora na solução das ações, denúncia acolhida, cujo processo tomou o número nº 12.674.
Decorreu desta representação um Acordo realizado pelo Estado brasileiro e pela família, em que reconheceram, em nome do Estado, o Ministério da Defesa, a Secretaria de Direitos Humanos, a Advocacia Geral da União, o Ministério das Relações Exteriores e o Exército Brasileiro, perante a sociedade brasileira, ter havido violação aos Direitos Humanos perpetrada pelo Estado a Marcio, incluindo a violação do direto à vida e à segurança da pessoa. Igualmente fora assumida a responsabilidade pela demora na tramitação das ações judiciais decorrentes do fato, a inobservância da Convenção Interamericana de Direitos Humanos, comprometendo-se o Estado, como medidas de reparação, a prestar, em cerimônia solene na Academia Militar das Agulhas Negras, condolência aos familiares da vítima.
Ato contínuo, assumiu o Estado a obrigação de inaugurar na cerimônia placa permanente na AMAN em homenagem aos cadetes falecidos em atividade de instrução no decorrer do Curso de Formação de Oficiais e, em especial, à vítima Marcio Lapoente da Silveira. As inscrições consistirão, conforme ficou acordado, nos seguintes dizeres:

Homenagem do Exército Brasileiro e da Academia Militar das Agulhas Negras decorrente do Acordo de Solução Amistosa junto à Comissão Interamericana de Direitos Humanos, referente ao Cadete Lapoente da Silveira”.

O acordo foi concretizado e assinado entre dezembro de 2011 e janeiro de 2012, em termo assinado pelos familiares de Márcio Lapoente da Silveira e o Estado Brasileiro, representado pela Sra. Ministra Chefe da Secretaria de Direitos Humanos, pelo Ministro da Defesa, pelo Comandante do Exército, pelo Procurador Geral da República, dentre outras autoridades.
A cerimônia ocorrerá com a presença de autoridades civis e militares, no dia 08 de outubro próximo, às 15h, na Academia Militar das Agulhas Negras.

Brasília, 04 de outubro de 2012

Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República.

O Acordo de Solução Amistosa
Principais signatários do Acordo de Solução Amistosa.
- Min Ch da SEDHPR, Maria do Rosário Nunes;
- Ministro da Defesa, Celso Amorim;
- Cmt do Exército, Gen Enzo Martins Peri.

LEVANTE POPULAR DA JUVENTUDE RECEBE MENÇÃO HONROSA

O grupo do esculacho recebe ‘Menção Honrosa’ da Dilma Rousseff

O LEVANTE POPULAR DA JUVENTUDE recebeu uma Menção Honrosa das mãos da presidente da República, Dilma Rousseff, na 18ª edição Prêmio Direitos Humanos.
O LPJ é o movimento adestrado pelo Partido dos Trabalhadores que vem provocando arruaças na frente de residências de agentes do Estado - militares das Forças Armadas e das Polícias Civis e Militares - que atuaram na repressão aos militantes da luta armada nos anos 64 / 85. No dia 29 de março de 2012 cercaram o Clube Militar, na Cinelândia, cidade do Rio de Janeiro, e provocaram um esculacho, agredindo militares que deixavam o recinto após assistir uma palestra alusiva ao dia 31 de março de 1964. Jogaram tinta spray, gritaram ofensas e cuspiram no rosto de um oficial reformado octogenário. Por estes feitos mereceram a Menção Honrosa entregue pela presidente Dilma Rousseff.

NOMES DE PERSONALIDADES MILITARES SUBSTITUIDOS POR DE TERRORISTAS

Nomes de logradouros e referências a feitos militares, apagados dos registros da história
Logradouros estão mudando de nomes. Todas as referências a personalidades da história envolvidas com o movimento militar de 1964, que destituiu o governo do senhor João Goulart, estão sendo substituídas por nomes de elementos da esquerda que participaram ou foram simpatizantes da luta armada; episódio que, à guisa de depor o regime militar, pretendia implantar uma democracia do proletariado, à semelhança do vigente em Cuba e países filiados à ex URSS. Sites, como os do Exército e Ministério da Defesa, foram obrigados a retirar as referências à revolução de 31 de março de 1964. O site da ROTA, da Polícia de São Paulo, seguiu o mesmo caminho. Agora ‘a Comissão da Verdade da Assembleia Legislativa de São Paulo vai propor a revisão do brasão de armas da Polícia Militar paulista’. No brasão, por intermédio de estrelas, diversos ações empreendidas pela corporação são lembradas e homenageadas. A 18.ª estrela simboliza a revolução de 1964. (José Geraldo Pimentel).

SINOPSE HISTÓRICA SUPRIMIDA DE SITE DO EXÉRCITO E ROTA/PMSP

Antecedentes e Revolução Democrática de 1964

Getúlio Vargas, deposto em 29 de outubro de 1945, retornaria ao poder, pelo voto, em 31 de janeiro de 1951. Eis aí a gênese da cisão dos militares, grosso modo, em duas facções - getulistas versus anti-getulistas. O envolvimento de parte dos chefes militares na política partidária, prática comum a época, hoje abominada, contribuiu para o agravamento de crises, que, de outra forma, teriam se restringido a meras querelas políticas, incapazes de comprometer a normalidade institucional do País.
Em 1951 e 1955, políticos perdedores das eleições presidenciais brandiam a tese da ilegitimidade dos eleitos, alegando a não-obtenção da maioria dos votos. Já em 1954, virulenta oposição ao Presidente Vargas conduzira-o ao gesto extremo do suicídio, que o tirou da vida para colocá-lo na História.
As “novembradas” de 1955, golpes e contragolpes, assim considerados por esse ou aquele lado, acarretaram grande intranqüilidade ao povo, empenhado apenas em trabalhar e fazer progredir a Nação. Empossado, o Presidente Juscelino Kubitschek enfrentaria duas rebeliões armadas: Jacareacanga e Aragarças, rapidamente sufocadas e habilmente esvaziadas.
Em 1961, o Presidente Jânio Quadros escolheu o Dia do Soldado, 25 de agosto, para surpreender a Nação, renunciando ao mandato concedido pela maioria do povo. Instaurava-se nova crise institucional no País, arrefecida com o advento do parlamentarismo, de curta duração, que permitiu a posse do Vice-Presidente João Goulart.
O Governo pretendeu implantar reformas, ditas de base, à revelia do Congresso Nacional. Para agravar a situação havia clima de quebra da hierarquia e da disciplina nas Forças Armadas em ambiente de grande agitação. A reação popular, contrária a esse estado de coisas, manifestar-se-ia nas “Marchas da Família com Deus pela Liberdade”.
Durante o Comício de 13 de maço de 1964, realizado em frente ao Ministério da Guerra, no Rio de Janeiro ficou claro que as "Reformas de Base" seriam feitas na lei ou na ‘marra’.
O epílogo dessa situação ocorreria a 31 de março de 1964, quando tropas da 4a Região Militar, apoiadas pelo Governo de Minas Gerais, rebelaram-se. O dispositivo militar que dava sustentação ao governo federal desmoronou, em virtude da adesão majoritária das Forças Armadas ao movimento. Não ocorreu derramamento de sangue, sinal de que havia perfeita sintonia entre elas e a Nação.
Vitoriosas, as tropas revolucionárias foram recebidas com aplausos pela população, que saudava a volta do País à normalidade.
Eufórico, o povo vibrou nas ruas com a prevalência da democracia, restabelecida com a vitória do movimento de março de 1964.
Os recentes fatos da História contemporânea demonstram que o povo brasileiro estava certo quando, na década de 60, optou pela democracia.


História – Sinopse Histórica – A história que precisa virar história - Antecedentes e Revolução Democrática de 1964
(Fonte: Site do Exército).

Documento histórico:
Esta sinopse foi retirada do site, aparecendo em seu lugar a frase: Conteúdo
em atualização. Aguarde!

Antecedentes e Revolução Democrática de 1964. - O dispositivo militar que dava sustentação ao governo federal desmoronou, em virtude da adesão majoritária das Forças Armadas ao movimento. Não ocorreu derramamento de sangue, sinal de que havia perfeita sintonia entre elas e a Nação. Vitoriosas, as tropas revolucionárias foram recebidas com aplausos pela população, que saudava a volta do País à normalidade.
A Sinopse Histórica do site do Exército foi removida por determinação da presidência da república. No item Datas Comemorativas, suprimiram radicalmente o mês de março, o dia 1.º de abril e no mês de novembro não consta o episódio da Intentona Comunista de 1935. (Fonte: Site do Exército).

Ministra dos Direitos Humanos critica página da Rota que elogiava a contra-revolução de 1964
No tópico do site do 1º Batalhão de Polícia de Choque - Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar (ROTA), - A História do Batalhão, - foi retirada a citação: - Revolução de 1964, quando participou da derrubada do então Presidente da República João Goulart, apoiando a sociedade e as Forças Armadas, dando início ao regime militar com o Presidente Castelo Branco;
(Jair Stangler, do Estadão.com.br).

(Topo)

A VIDA E A MORTE NA CARREIRA MILITAR

CHAMAMENTO À VIDA

Aos Cadetes das Academias Militares das Forças Armadas

José Geraldo Pimentel
Cap Ref EB

Não há perspectiva de futuro para vocês em suas carreiras militares. Quatro anos de estudos e dedicação às FFAA e ao Brasil. Logo vocês deixarão as suas academias e estarão na tropa, enfrentando pela primeira vez o dissabor de perceber, que tantos anos de estudos de nada adiantaram. Suas esposas, seus filhos, não encontrarão no pai amoroso e dedicado, senão lágrimas, e tristezas nos olhos. Vocês se aperceberão, que em muitos casos, faltará até remédio para salvar a vida de um filho!
É preciso que vocês sintam a necessidade de alertarem os seus chefes mais imediatos, que precisam desde já cuidar com carinho de seus futuros. Não basta devoção e amor à Pátria. Essa Pátria à qual vocês dedicarão toda uma vida precisa cuidar de seus futuros, vendo-os como seres humanos que são.
Vocês têm tomado conhecimento da luta das esposas de seus superiores hierárquicos, que estão brigando heroicamente para verem os seus maridos respeitados e tratados como verdadeiros soldados! Os nossos Comandos Militares, o Ministro da Defesa, e o senhor Presidente da República, constitucionalmente Chefe Supremo das Forças Armadas, não estão olhando com o devido carinho para a situação aflitiva dos militares. É preciso reagir enquanto há tempo! Ajam!
Procurem os seus superiores na academia e os alertem. Não permitam que os tratem como simples Zé-ninguém. Vocês são os futuros líderes militares sob cuja responsabilidade recairá a segurança da Nação.
Faça por vocês e suas futuras famílias!



DECEPÇÃO E MORTE

A teoria que explica as mortes dos generais

José Geraldo Pimentel
Cap Ref EB

Duas tragédias abalaram ultimamente as FFAA brasileiras. A primeira foi a morte do general Urano Teixeira da Matta Bacellar, comandante militar da Missão de Estabilização das Nações Unidas no Haiti – Minustah. Esta semana morreu o general-de-divisão Luiz Alfredo Reis Jeffe, comandante da 4ª Região Militar/4ª Divisão de Exército, em Minas Gerais. Coincidentemente ambos foram encontrados em seus locais de trabalho, com uma pistola de 9mm ao lado do corpo, possivelmente a arma que motivou as mortes; e de maneiras idênticas, com tiros na boca. Os dois generais tiveram relações de aproximação com o senhor presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva. O general Urano Teixeira da Matta Bacellar contemplado com a indicação para a missão no exterior e o general Luiz Alfredo Reis Jeffe conduzido à recente promoção de general-de-divisão.
Estas três coincidências merecem uma análise.
O militar por uma questão de formação tem um perfil profissional que difere de outras carreiras. Os postos e graduações são conseguidos mediante anos de estudos em escolas especiais, aprendizados sem os quais não alcançam promoções. Atingir o posto de general, para os oficiais é o ápice da carreira. Neste posto são alçados aos comandos de grandes unidades, com maiores responsabilidades, melhoria nos níveis salariais e prestígios. Acompanhando os estudos há todo uma cobrança, onde se exigem do militar uma postura ética, sem deslizes de ordem moral. Daí vir o respeito e a admiração que acompanha a áurea do militar: Ser um cidadão sério, em quem se pode confiar plenamente. Diz-se que ser militar é fazer parte de uma elite moral, onde se estaiem os valores primordiais da nação. Condição que mexe com os brios do militar; tornando-o mais e mais especial.
E aí que surge o conflito na cabeça do militar. Como ser ético, se faz parte de um sistema onde os valores de decência e respeito escorrem pelo ralo da desagregação moral? E ele se pergunta: “Eu sou ético, mas garanto a imoralidade. E convivo com o ilícito. Contribuo para que a desigualdade social seja posta em cheque, assistindo calado que se perpetue todas as causas que levam o homem ao estado permanente de pobreza: a falta da escolaridade, o desemprego, e o descaso com a dignidade do ser humano. Eu posso viver com um salário, ainda que aviltado pelo arrocho; mas não poderia sobreviver com um salário mínimo, que minimamente consegue manter uma família, e, menos ainda, se recebesse uma bolsa-família, que não deixa de ser uma forma de escravizar o homem: Dou esta migalha para que você não morra de fome!”
Todo militar sonha com o futuro de seus filhos. Quer vê-los estudando nos melhores colégios. Quer pagar-lhes cursos de línguas, natação. Projeta, como prêmio ao completar os quinze anos, ou ao entrar na faculdade, dar-lhes uma viagem a um parque temático nos EUA, ou uma bolsa de estudos na Europa. Outra preocupação é garantir a segurança da família, promovendo um pecúlio, que possa complementar a pensão ao falecer. A casa própria é a mais importante das preocupações; o que sempre procura realizar com um financiamento imobiliário. Além destas metas, quase nenhum outro sonho de ascensão social.
Nenhuma dessas conquistas a maioria da população consegue alcançar. E muitos militares morrem na praia, como se diz no ditado popular; sem que também alcancem estes objetivos. Mas é um capítulo à parte, que nem Sigmund Freud consegue explicar; muito menos eu que vi a praia a cem metros e fiquei pelo caminho.
O militar é um cidadão comum, de carne e osso. Tem sentimentos. E pudor! Este grande mal que destrói as pessoas de bem.
Não tenho dados para avaliar as causas dessas duas mortes; e nem poderia agir como um juiz. Mas sinto que por trás dessas tragédias existe o fator moral. Aquela coisa frágil que só os grandes homens são capazes de possuir!
“- Se não posso ajudar, contribuir para que continue como estar é me exigir o impossível! Não sei que outro caminho seguir! Preciso do silêncio. Da paz que só a morte me trará!...”



DESESTÍMULO COM A CARREIRA MILITAR

Situação de praças, cabos, sargentos e sub-tenentes

A UNEMFA é persistente, não desiste jamais, continuamos firmes em nossa luta, até porque este reajuste é só o que queremos de imediato, mas ainda tem a MP 2215 e muitas outras reivindicações que estão surgindo.
Tenho acompanhado ao longo dos últimos dois governos as perdas que os militares tem tido, mais próximo de mim as perdas para a classe dos Sgts e ST, perdas que fazem com que hoje estejamos mendigando esses míseros 23%. Só para lembrar de algumas perdas:

- Perdas de 1% a.a, gratificação por tempo de serviço (para um militar com 20 anos, seria 20% a mais em seu contra-cheque);
- Perda do auxílio-moradia;
- Perda dos 28%, que encontra-se na justiça e até hoje não tem nada definitivo, mas que os oficiais generais ganharam;
- Perda de um posto acima quando de sua aposentadoria;
- Aumento (dobrou) o interstício, para que o ST não consiga mais atingir o posto de oficial (são duas promoções de oficiais e mais a do posto acima que o SGT perdeu).

E ainda assim existem muitos militares que estão confiantes que os Cmts vão resolver alguma coisa ou mesmo que exista uma carreira ainda dentro das FFAA.
Quando o SGT chega a ST, são poucos os que conseguem serem transferidos (na maioria são aqueles que tem apadrinhamento) e aqueles que conseguem (a maioria), chega ao seu destino sem dinheiro algum, pois este já ficou pelo caminho para pagamento de dívidas. Hoje, o poder de compra da família militar é reduzido todo dia, está próximo de ganharmos só um salário mínimo, então vamos nos unir e mostrar que temos força. Chega de palavras, vamos dar um basta a tanta humilhação.
Angela Lutz



DEBANDADA DAS FORÇAS ARMADAS

A falta de estímulo pela carreira tem levado oficiais a pedir demissão

A partir de histórias de bastidores e do número de desistências de servidores qualificados das Forças Armadas, uma pergunta se impõe: qual é de fato a estratégia do governo Dilma para a área militar? Enquanto tal resposta não vem, a Defesa perde, cada vez mais, gente preparada.

Leonardo Cavalcanti

Um pacto de silêncio foi quebrado. Integrantes da elite das Forças Armadas decidiram falar pela primeira vez sobre a fuga de talentos para a iniciativa privada e para outras áreas do serviço público. Internamente, a preocupação com o tema levou o Exército a preparar estudos para explicar o óbvio: o percentual das desistências, iniciadas há pelo menos sete anos, sempre esteve ligado aos baixos salários. Com as ofertas cada vez mais tentadoras vindas de fora dos quartéis, apenas no ano passado, 245 oficiais abandonaram o posto — um número quase constante e iniciado em 2006, segundo levantamento apresentado na reportagem publicada por este Correio no último domingo.
A partir de relatos de coronéis e capitães, dados de forma anônima, e histórias de quem largou a farda, foi possível montar um quadro atualizado da situação das Forças Armadas no país. Nos primeiros três meses deste ano, 54 oficiais já deixaram a Marinha, o Exército e a Aeronáutica. A reportagem, assinada por Karla Correia, apresenta comparações de salários. Numa delas, pilotos de caça com a patente de coronel se aposentam com rendimentos líquidos de R$ 9,3 mil, incluídos soldo e adicionais. Pilotos de helicópteros, a depender do tipo de serviço, podem receber R$ 25 mil mensais. O debate aqui está no tanto que o Estado investiu na capacitação dos militares nas escolas de formação.
Cálculos conservadores apontam que a União gasta R$ 1,2 milhão para formar um oficial em uma das cinco instituições de ensino militar: as academias Militar das Agulhas Negras e a da Força Aérea, a Escola Naval e os institutos Militar de Engenharia (IME) e Tecnológico da Aeronáutica (ITA). Assim, concordamos em pagar pelo ensino de uma elite militar que abandona o barco. A culpa, porém, parece não ser dos militares. “Deixei o coração no Exército, mas a pátria não começa no quartel, ela começa na família. E quando a família sofre, não tem vocação militar que aguente”, diz um dos entrevistados. O mais significativo é a incapacidade de o serviço público segurar talentos e gente preparada.
Sem funcionários capacitados e criativos, é impossível para qualquer gestor definir prioridades e ações de políticas públicas. Ao perder cérebros nas Forças Armadas, o Brasil perde também a possibilidade de aplicar estratégias de defesa, principalmente como guardiã das fronteiras e da plataforma continental. Tudo piora com uma tropa desestimulada. Ao longo de uma conversa com o Correio, um coronel resumiu o conflito nos quartéis: “Nada pior para um profissional do que atuar sem perspectiva de futuro. É assim que vivemos”. Uma pergunta se impõe: qual é de fato a estratégia do governo Dilma para a área militar? Enquanto tal resposta não vem, perdemos oficiais.
(Correio Braziliense, 13 de abril de 2013).

(Topo)

COLAPSO NAS FORÇAS ARMADAS

. Comandos Militares desalojados da Esplanada dos Ministérios.
. A discrepância salarial paga pela mesma fonte.
. Forças Armadas em situação de penúria.
. Orçamento militar previsto para 2014 não atende sequer ao custeio.
. Defesa em tempos de paz.


Comandos Militares desalojados da Esplanada dos Ministérios

José Geraldo Pimentel

As Forças Armadas serem comandadas por indivíduos que confundem covardia com disciplina militar, dá nisso. São desalojados de suas sedes na Esplanada dos Ministérios. Qualquer secretariazinha, como a Secretaria da Micro e Pequena Empresa, recém criada, ocupa parte das instalações do Comando do Exército.
O governo Dilma, - ‘Nossa PRESIDENTA Dilma Rousseff’, nas palavras do puxa-saco do comandante do Exército, Enzo Martins Peri, em sua última Ordem do Dia referente ao Dia do Exército, - tem um total de 39 (trinta e nove) ministérios, assim grupados: 24 ministérios propriamente ditos e 9 secretarias da Presidência e 6 órgãos com status de ministérios (ligados à Presidência da República).
O grande negócio da criação de tantos ‘ministérios’ é agradar aos partidos que dão sustentação política ao governo e garantir à presidente Dilma, no projeto de reeleição, mais tempo de TV no programa eleitoral do ano que vem. A última secretaria lhe garantirá mais 1 minuto e 39 segundos de tempo de TV.
Mas os nossos chefes militares não sabem o que seja ter dignidade. São mandados desocupar os prédios construídos para sediar as Forças, na Esplanada dos Ministérios, e obedecem sem ao menos ponderar a inconveniência e o transtorno que acarreta este tipo de movimentação. E o desgaste moral para a instituição militar. Apenas obedecem.
É a moda dos tempos em que ser tratado e agir como cachorro dá dividendo. Que o diga o ex comandante do Exército, General de Exército Francisco Roberto de Albuquerque, vulgo ‘Chiquinho do PT’.

A discrepância salarial paga pela mesma fonte

O governo não concede revisão nos soldos militares a onze anos, em desrespeito a Lei 10.331, que regulamenta o artigo 37, item X da Constituição Federal. A vingança do governo com os militares consiste em sucatear os equipamentos bélicos e conceder esmolas como pagamento aos militares, com isso um carcereiro de Brasília em início de carreira, ganha mais do que um general de exército com mais de 40 anos de serviço. Este governo é comunista e vingativo.


Forças Armadas em situação de penúria
Senadora Ana Amélia (PP/RS).


Orçamento militar previsto para 2014 não atende sequer ao custeio

Em nota enviada ao Congresso, Forças Armadas apontam defasagem de R$ 13 bi para "necessidades mínimas".

Eliane Oliveira

Uma nota técnica elaborada pela área militar, encaminhada à Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional do Senado, mostra um cenário dramático para as Forças Armadas brasileiras em 2014. 0 documento, que servirá de subsídio para uma audiência pública hoje, aponta diferença de R$ 13,650 bilhões entre o que as três armas consideram como "necessidades mínimas" e o que está previsto no Orçamento para o ano que vem. Os militares pedem R$ 29,828 bilhões, mas os recursos com os quais poderão contar somam R$ 16,178 bilhões.

Risco à segurança do pré-sal
"Os recursos do Orçamento da União que vêm sendo destinados nos últimos anos à Defesa não estão sendo suficientes para atender sequer ao custeio das Forças, a exemplo da manutenção de equipamentos, e muito menos aos projetos contemplados na Estratégia Nacional de Defesa" diz a nota.
- O Exército alerta, no documento, que entre as consequências para a falta de recursos está o enfraquecimento da segurança na faixa de fronteira, especialmente na Amazônia e no Centro-Oeste. O Exército aponta problemas de aquisição de munição de todos os calibres e também se diz preocupado com os sistemas de defesa antiaéreo e cibernético.
- A Marinha afirma que diversos projetos, entre eles a construção de navios -patrulha de 500 toneladas para prover segurança na área do pré-sal e a reconstrução da Estação Antártica, estão comprometidos. Segundo a Marinha, há uma forte demanda reprimida na manutenção da Esquadra, o que causa aceleração da defasagem tecnológica, perda de mão de obra qualificada e aumentos significativos nos custos de operação.
- A Aeronáutica informa que estão paradas 346 de 624 aeronaves com capacidade de operação. Ela é responsável pela proteção de um espaço aéreo que vai além do próprio território brasileiro, uma dimensão de 22 milhões de quilômetros quadrados, elenca como prioridades que não podem ser desprezadas o Veículo Lançador de Satélites (VLS); a compra de cargueiros para a substituição imediata das aeronaves KC-137 (Boeing 707 adaptado para fins militares); a aquisição de 28 aeronaves KC 390; e a modernização do caça F-5.
A nota técnica, elaborada pelos comandos das três forças, ressalta que são preocupantes os baixos valores previstos para o Orçamento de 2014, "insuficientes para as necessidades mínimas de cumprimento das missões constitucionais". Os recursos, afirmam, são insuficientes até mesmo para o custeio, como a manutenção de equipamentos, e para os projetos contemplados na Estratégia Nacional de Defesa.
- O senso comum associa as Forças Armadas apenas ao combate e à defesa do país em tempos de conflito, ignorando o trabalho dessas mesmas forças em tempos de paz, na proteção de interesses nacionais e no dia a dia do brasileiro. O problema é que os recursos vêm sendo liberados e executados a conta-gotas - comentou o presidente da Comissão de Relações Exteriores do Senado, Ricardo Ferraço (PMDB-ES).

Sofisma: Aumento de 326% em 10 anos
Ele lembrou que, recentemente, o ministro da Defesa, Celso Amorim, declarou que gostaria que os gastos do Brasil no setor aumentassem de 1,5% para 2% do Produto Interno Bruto (PIB, soma dos bens e serviços produzidos no país). A expansão poderia se dar em um período de dez anos.
Considerado um dos projetos estratégicos do Exército, o Sistema de Monitoramento de Fronteiras (Sisfron) tem prazo de dez anos para ser implantado. Radares e sensores instalados em trechos-chave da fronteira nacional vão ser capazes de captar e transmitir informações em tempo real sobre ações de criminosos na fronteira brasileira, com a participação da Polícia Federal, do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), da Receita Federal e de vários outros órgãos federais, estaduais e municipais. O Sisfron, hoje em fase inicial, está orçado em tomo de R$ 12 bilhões.
De acordo com a Defesa, apesar das dificuldades "que também atingem outros ministérios" houve aumento substancial de recursos para a pasta na última década: a verba para custeio e investimentos subiu de R$ 4,6 bilhões em 2003 para R$ 19,6 bilhões (número divergente do da nota da área militar), como previsto no projeto de lei orçamentária para 2014 (R$ 16,178 bilhões). Isso significa uma expansão de 326%.
(O Globo, 07 Nov 2013).

Defesa em tempos de paz
Ricardo Ferraço.

(Topo)

HOMENAGEM ÀS ‘GUERREIRAS’

A campanha do reajuste dos militares

Fim do espetáculo

Dia dos Covardes

Depois de mais de um ano de luta, onde mulheres fizeram às vezes de homens, indo à luta por melhores condições de vida para a família militar; finalmente, hoje, dia 3 de novembro de 2005, - segundo dia útil do mês, - chega-se ao caixa do banco e retira-se da conta uns minguados 13% (na forma de abono). Um reajuste salarial que não corresponde aos valores preestabelecido um ano atrás. Devemos esta esmola às bravas guerreias. Elas sofreram o frio e o desalento de dias e dias acampadas na Esplanada dos Ministérios. Humilhadas, e enxotadas a mando de autoridades de sua própria categoria funcional.
Agradecemos a vocês minhas amigas, mães, esposas e filhas. Vocês fizeram mais do que os nossos superiores hierárquicos; que neste momento devem estar dizendo: “Conseguimos apaziguar a tropa!”. Mas não conseguiram. Mostraram, sim, covardia. Humilharam-se de joelhos à frente de uma corja de ladrões que estão espoliando a nação, sem que houvesse uma reação de “um basta a tanta desfaçatez!”
A covardia faz parte da natureza humana. No entanto, o chefe deve suplantar os seus temores; e ir à luta; ainda que o medo debilite as suas pernas. É o papel natural de todo o líder. Mas vocês Comandantes Militares não têm essa grandeza; simplesmente nos decepcionaram!
Nós, seus comandados, que sofremos a humilhação de pagar sempre o prejuízo da contenção de despesas; somos fortes o bastante para continuar de cabeças erguidas. Se nos faltam o pão para alimentar com dignidade as nossas famílias, se não podemos colocar os filhos numa boa instituição de ensino, se madrugamos para tentar marcar uma consulta médica, que irá acontecer seis meses depois; não nos sentimos desmerecidos diante dos olhos de nossas esposas e filhos. Eles nos respeitam e nos amam de verdade!

José Geraldo Pimentel

Rio de Janeiro, 3 de novembro de 2005.

Retrospectiva

Aumenta a pressão sobre os militares maridos das guerreiras

Os maridos das guerreiras foram novamente convocados para uma reunião, hoje, 23/8, às 13h, no CMP. Só que, agora, acompanhados do seu chefe imediato.

Repressão em cima das “guerreiras”

Continua a pressão sobre os militares: Os comandos militares não querem que as esposas dos militares se manifestem em defesa de suas famílias e das FFAA brasileiras.

Talvez aqueles que acompanham o RESERVAER, também gostariam de saber a mesma coisa que eu...
Por que será que os comandantes procuram de forma covarde, proibir a presença de mulheres dos militares às ruas e as cerimônias?... Esta presença realmente está incomodando muito os superiores... Eles não querem se queimar para com o atual presidente... Estas mulheres procuram mostrar à sociedade brasileira, a real situação em que se encontram as famílias militares... Estas com certeza não vivem de chazinhos de tarde, vivendo uma UTOPIA que não existem mais dentro das FORÇAS ARMADAS... Vivem a real situação: DA FALTA DE TUDO, alimentação , estudos de melhor qualidade para seus filhos, ENFIM MELHORIAS DE VIDA À QUE TÊM DIREITO.
As mulheres são LIVRES e jamais COVARDES, pois vão às ruas pelos maridos e principalmente pelos FILHOS...
Os senhores no dia de hoje distribuíram MEDALHAS, para alguns que realmente não as merecem. Fizeram muitos deles alguma coisa de bom que contribuísse para o ENGRANDECIMENTO DAS FORÇAS ARMADAS?...
MEDALHAS merecem, sim, aqueles que mesmo vivendo em GRANDES DIFICULDADES, vendo seus filhos passando NECESSIDADES, pedirem socorro, e mesmo assim AINDA DÃO A VIDA PELA PÁTRIA...
Aqueles que procuram de forma honesta, com dignidade, passar para os seus filhos a importância desta PÁTRIA maravilhosa que temos. Procuram servir prontamente, aqueles que NADA fazem por eles... De cabeças baixas murmuram para si próprio, a necessidade de CHEFES FORTES, AQUELES QUE EXISTIAM ANTIGAMENTE... QUE REALMENTE LUTAVAM PELO BEM ESTAR DA TROPA... Os senhores "CHEFES" olham sempre para o seu próprio BEM ESTAR, mesmo cientes das necessidades da família militar...
Mas venho a perguntar: "quem realmente não gosta do poder?"; e, principalmente, com mordomias que só os senhores conhecem...
procurem buscar de forma sensata, algo que contribuía para a melhoria da família militar e não através de ofícios impondo para seus subordinados o "não" da liberdade de expressão e o direito à cidadania das mulheres.
De que lado está realmente os senhores?...

Maria Aparecida Anjos

15/08/2005

As onze de Brasília

É de machucar o coração. Apenas, e não mais do que 11 (onze) mulheres destemidas, marcharam ontem, dia 15 de agosto de 2005, contra a Fortaleza do Palácio do Planalto. Com faixas e gritos de ordem; e a Bandeira Nacional rasgada em onze pedaços, tiras que carregavam presas dentro do peito, elas puseram-se à frente do dono do poder e deram o seu recado. Exigiram respeito para com as Forças Armadas brasileiras. Em suas faixas escritas com sangue e lágrimas liam-se as frases: “Lula corrupto: decepção, fraude, enganação”, e “Governo corrupto, Brasil de luto”.

Postados como uma montanha, homens fortemente armados, defenderam a fortaleza. Nos rostos desses soldados viam-se as lágrimas que eram represadas, diante do sofrimento que lhes impunham o dever de defender o governo, ainda que tivessem de passar como tratores sobre aquelas mulheres, que lhes estendiam as mãos e pediam ajuda. Muitas dessas senhoras podiam ser mães e esposas desses soldados. Mas era a irracionalidade do cumprimento do dever, contra a vontade de lutar até as últimas conseqüências para salvar os filhos da fome e execração do Rei.

Não houve vencidos e nem vencedores. Viu-se apenas uma figura abjeta agarrada atrás das persianas da janela do gabinete presidencial, que se borrava nas calças; tremendo como uma besta covarde, rezando para que aquelas mulheres corajosas não ultrapassassem os muros do palácio e fossem-no retirar à força e expô-lo em praça pública.

Pobre criatura miserável que não se garante como homem, vivendo de falsas promessas, enganando o trabalhador, enquanto enriquece mais e mais os ricos. Esta pústula de homem, que de homem só carrega a barba crescida, desonra a classe operária e a todos os seus governados. Estelionatário que enganou 52 milhões de eleitores. Vira casaca que se passou para o lado das elites, vendendo o povo brasileiro por trinta dinheiros. Espertalhão que se passa por idiota para negar o seu envolvimento na compra de parlamentares que vinham garantindo a aprovação de projetos no Congresso Nacional. Impostor, que por uma cláusula na Constituição Federal, se outorga Chefe Supremo das Forças Armadas brasileiras, quando não tem a moral para chefiar uma guarda municipal. Criatura desprezível, que não existe adjetivo que possa dimensionar a sua pequenez de coisa nenhuma. O único título que por direito lhe cabe é o de Ali-Babá, líder de uma quadrilha de larápios que se apossou do Brasil.

Esse número “onze” é de um simbolismo ímpar. Mil mulheres não teriam realizado esse feito!

Vocês “0nze Guerreiras” engrandecem a família militar. Não sabemos como agradecer tanta generosidade. E não vemos mais razão para permitir que sejam tragadas por esta vertigem louca de por a própria vida em jogo, pelo único desejo de reparar a dignidade de seus filhos e da instituição à qual pertencem os seus maridos. Vocês têm feito muito mais pelas Forças Armadas, do que por dever e direito seria da competência dos nossos superiores hierárquicos!

Juro que não sobrará pedra sobre pedra, se nessa corrida louca, os deuses do mal cruzarem o seu caminho, e deixarem uma que seja para trás. Aí arrancaremos pelos pescoços essa corja de salafrários de sua fortaleza, e os estraçalharemos como feras enlouquecidas, comendo-lhes as vísceras e bebendo-lhes o sangue!

Que as autoridades competentes encontrem uma solução rápida para cessar essa corrida desesperada contra o ultraje e a fome, e restaure a tranqüilidade da família militar. Não espere que haja primeiro um derramamento de sangue em Brasília, para só aí tomar uma providência!

José Geraldo Pimentel

03/07/2005

Troca da Bandeira em Brasília

Brasília viveu um momento incomum. No primeiro domingo do mês troca-se a Bandeira Nacional hasteada na Praça dos Três Poderes. Em cada solenidade uma Força Militar faz a troca da Bandeira e dá guarda o resto do mês. Hoje seria a vez da Aeronáutica. A solenidade que desde a fundação da cidade era considerada um dos eventos mais tradicionais e concorridos, simplesmente não aconteceu. Ou melhor: serviu de palco para um ato de vandalismo e repúdio para quantos a presenciaram.
As esposas dos militares que estão vivendo uma cruzada em defesa da valorização da classe, exigindo melhores condições de vida; e, como tal, cobrando do governo o cumprimento da promessa de pagar este ano a segunda parcela de um reajuste, no valor de 23%, compareceu em grande número. O propósito, como de sempre, seria chamar a atenção das autoridades, que a esta altura não tem contado mais com a presença do presidente da República, que anda evitando o confronto com essas senhoras. E aí que aconteceu o imprevisto. Disposta a impedir a manifestação das mulheres, a Aeronáutica compareceu guarnecida de um choque de homens fortemente armados, a Polícia da Aeronáutica, conduzindo uma malta de cães pit-bull. O aparato logo foi posto em prática. Como uns vândalos, bloquearam a passagem das manifestantes, agredindo-as e jogando os cães sobre elas. Uma cena deplorável e covarde. Felizmente que houve o troco; porquanto mesmo estando desarmadas, e em desvantagem fisicamente, revidaram à altura, mostrando que não apanhariam impunemente de seus maridos, filhos e pais. Aquele grupo de homens fortemente armados se defrontaram contra as suas próprias esposas, mães e filhas; mulheres que estavam se manifestando em defesa dos direitos de toda a família militar, deles inclusive.
“- Apanhamos da PA (Polícia da Aeronáutica) e num ato de defesa reagimos. Cães de guerra não nos assustam... muito menos tropa de choque...” Protestou a dona Ivone Luzardo, presidente da UNEMFA.
Era como se os soldados, sargentos e oficiais, que não ostentavam os seus nomes nos uniformes, não fossem seres humanos, mas criaturas surgidas de gerações espontâneas.
A cena deplorável me remontou a uma outra situação similar, ocorrida na Faixa de Gaza. O soldado Avi Bieber se tornou um herói dos colonos no domingo, 26 de junho, quando militares tiveram de remover judeus que tentavam se instalar em construções já vazias. Ele descumpriu a ordem de destruir as casas, alegando que suas crenças o impediam de executar a ação. Sua atitude lhe rendeu 56 dias de prisão.
Este militar israelense tem nome e rosto. Não teme ser reconhecido pelos companheiros no quartel.
Com os nossos “bravos” batedores de mulheres deve acontecer o contrário.
- Cabo n.º 12, bloqueie aquela passagem.
- Sim, senhor, capitão n.º 35. Deixa comigo. Vou jogar as feras (cães) em cima dessas vadias.
- Muito bem, cabo n.º 12!
Queria neste momento fazer um esclarecimento. Esta não é a atitude adotada pelas Forças Armadas brasileiras. Alguma coisa de errado deve estar acontecendo nos bastidores de Brasília. Acredito que o presidente Lula esteja desperdiçando uma oportunidade única de trabalhar sem a preocupação com relação ao apoio militar, se por uma hipótese, vir necessitar para garantir a governabilidade do país. Ele conta indiscutivelmente com um exército de generais. Homens afinados com o seu governo, que a despeito de viverem reclusos trancados em seus gabinetes de trabalho, constituem uma força indiscutível.
Como demonstração deste apoio tácito, repasso o e-mail que recebi de uma amiga:
- Estava eu, conversando com um oficial-general, e num comentário sobre o escândalo do mensalão, ele declarou que o melhor a fazer, é "relaxar e assistir de camarote a implosão deste governo, sem querer intervenção”.
Essa fidelidade ao Chefe Supremo das Forças Armadas me leva a um fato narrado por uma senhora que há vinte anos trabalhava no Ministério da Educação em Brasília. Por suas mãos passavam todas as documentações relativas a compras de material. O superfaturamento era patente e a assustava. Um dia chegou um dos responsáveis pelos negócios ilícitos e levou-a para uma sala reservada, e disse-lhe:
- Você com este jeito de honesta, não irá chegar a lugar algum. Um dia vai estar contando moedas para inteirar na compra de um botijão de gás.
Hoje, coincidentemente, a senhora se viu na situação de estar contando moedas para inteirar na compra de um botijão de gás. Atualmente leciona no Colégio Pedro II, no Rio de Janeiro, e seu marido está desempregado.
Eu e milhares de companheiros não entendemos o que se passa pela cabeça de nossos chefes militares. A tropa vivendo os seus piores dias de suas vidas, e os nossos superiores calados, como se estivessem sob um céu de Brigadeiro.
“Há algo de podre no reino da Dinamarca!”

José G. Pimentel

Rio de Janeiro, 3 de julho de 2005.

Palavras de uma guerreira



“Meus queridos amigos, ao ler algumas mensagens, percebo claramente que alguns estão tristes e sem horizontes. Queridos não fiquem assim, reajam! Persistam, lutem pelos seus direitos. Não curvem a cabeça, encham esse peito de orgulho, pois são homens honestos, valorosos e acima de tudo trabalhadores honrados!!!
O Comandante da Aeronáutica ao publicar aquele boletim de nr 04, tornou-se odiável e ridículo. Achou que com essa ação desprezível iria nos enfraquecer. Quanta ilusão, estamos mais fortes agora. Nós somos mulheres determinadas. Sabemos o que queremos e não mediremos esforços para atingir nossos objetivos. Não pensem que quem está bem e cheio de mordomias vai olhar para baixo. E se fizerem, ficarão apenas na linha do pensamento, pois são incapazes de uma ação concreta e eficaz na defesa de quem precisa. Só conseguem olhar para seus próprios umbigos. São os homens do "ter", gananciosos, egoístas e covardes.
Um comandante não segura mil homens, a tropa desprezada é maioria. Reajam. Lutem!!!
Ivone Luzardo – Presidente da UNEMFA NACIONAL – Brasília.”

06/07/2005

Levantamento do acampamento

Despejo aos sessenta e nove dias acampadas

No dia 06 de julho de 2005, às 16h10 min, recebemos no acampamento da UNEMFA fiscais da Administração Regional de Brasília - Divisão Regional de Obras e Posturas o auto de notificação e/ou advertência nº 31730 com a seguinte descrição do fato:

“Deverá remover todas as instalações de acampamento sob sua responsabilidade, sob pena de apreensão do material pela fiscalização de atividades urbanas - DISPOSIÇÃO LEGAL INFRIGIDA: ART. 305; ART. 302 ALÍNEAS ‘C’ e ‘D’ DEC. 596/67 - PRAZO DE CUMPRIMENTO 24 (VINTE E QUATRO) HORAS.
ART. 302 É expressamente proibido:
c - matar, lesar ou maltratar, por qualquer meio ou modo, gramados e árvores de logradouros públicos e de bosques urbanos;
d - fazer fogo, por qualquer modo, em logradouros públicos bem como nas suas proximidades, especialmente em gramados, bosques urbanos e demais formas de vegetação;
ART. 305 Não é permitida a depredação de logradouros públicos para fins alheios à sua finalidade.”


Nos dirigimos à Administração de Brasília, para tomarmos conhecimento das conseqüências, caso o prazo não fosse obedecido e resolvêssemos permanecer por mais tempo. Fomos informados que poderíamos pagar multas acima de R$ 800,00 (oitocentos reais) por dia de permanência, responder a processo e ainda sermos presas, caso resistíssemos às ações dos fiscais.
Como podem ver, levantamos acampamento para simplesmente cumprir a Lei, pois somos pessoas ordeiras e pacíficas. Agora, se dependesse de nós, lá ficaríamos até o governo conceder o reajuste. É vergonhoso e humilhante para o governo e comandantes que esposas de militares sejam expostas à tal situação para cobrar do governo o nosso reajuste. Lastímavel...
Levantamos acampamento mas não desistimos da luta e somos vitoriosas! Resistimos sessenta e nove dias, graças à Deus!
Atenciosamente,
Ivone Luzardo - Presidente da UNEMFA NACIONAL.

LÁGRIMAS
Tristes e emocionadas, as mulheres de militares deixaram o local pacificamente. Entre lágrimas, elas desmontaram o acampamento e foram para casa com a promessa de voltar. Ivone Luzardo afirmou que elas saíram do local em respeito à lei.
"- Vamos voltar a nos articular mais rápido do que estão pensando e ganhar às ruas com apitos e panelas", garantiu. E concluiu dizendo que a retirada das mulheres não significa derrota. "Estamos ganhando espaço e respeito e isso incomoda nossos governantes".
Resposta da UNEMFA ao Comando da Aeronáutica

Brasília-DF, 06 de julho de 2005.

UNEMFA – União Nacional das Esposas de Militares das Forças Armadas Brasileiras.

Resposta ao “Boletim Periódico nº 04, de 05 de julho de 2005”
O Reajuste dos militares e a solenidade de substituição da Bandeira Nacional.

Exmo. Sr. Ten-Brig-Ar Luiz Carlos da Silva Bueno – Comandante da Aeronáutica.

Exmo. Sr. pedimos licença ao site RESERVAER, para através deste chegar à Vossa Excelência, esclarecimentos acerca do ocorrido no dia 03 de julho de 2005.
A UNEMFA manifesta a indignidade da família militar em razão dos baixos salários que vêm comprometendo em mais de 280% (duzentos e oitenta por cento) a nossa qualidade de vida, valor esse referente as perdas sofridas neste longo período de mais de dez anos. Nossas ações sempre foram pacíficas e ordeiras. Nas solenidades de substituição da Bandeira, sempre nos portamos com civismo e patriotismo, cantando o Hino Nacional e o Hino à Bandeira. Esse momento para nós é de grande relevância patriótica. Só após, é que nos manifestamos.
Nossa intenção neste “bandeirão” era sairmos enfileiradas atrás da Banda da Aeronáutica apitando e batendo nossas panelas. Portanto, as nossas únicas armas eram nossa voz, apitos e panelas. Mas, a solenidade foi invertida como forma de nos ludibriar e a tropa estava fortemente armada para nos intimidar.
Chegamos à Praça dos Três Poderes e nos posicionamos do lado esquerdo do palanque das Autoridades, ao qual V. Excia. não compareceu.
Seus soldados da PA, inclusive os mais graduados, estavam sem identificação. Todos retiraram as tarjas de feltro dos seus bolsos. No local havia cães “pitbull” sem focinheiras, prontos ao comando para atacar. Um dos seus comandantes deu a ordem para “descer porrada” e nós somos capazes de identificá-lo, sabemos o seu nome, embora o mesmo estivesse sem identificação. O cordão humano formado por seus soldados PA, chutavam para frente o tempo todo e quando nós tentamos entrar para ir atrás da banda, eles nos agrediram covardemente. A toda ação corresponde uma reação. Nosso grupo está com quatro senhoras visivelmente feridas. Nada disso teria ocorrido se não fosse a truculência do comandante da tropa.
O que diverge do pensamento da família militar é a falta de dinheiro para saldar compromissos básicos da sobrevivência. Desrespeito para nós é a tropa endividada com descontos diretos no contra-cheque; é o nome sujo na praça; é um soldado recruta ganhando menos de um salário mínimo (inconstitucional) e tantas outras situações que se vivenciam na caserna, como suicídio dentro dos quartéis por endividamento e mortes de nossos homens por equipamentos sucateados.
É impossível conciliar-se a um governo corrupto e revanchista que causa tantos danos pelo não cumprimento de uma promessa enquanto o dinheiro público se vai pelo ralo. De fato, o militar fez do amor ao Brasil a sua profissão, porém a recíproca tem que ser verdadeira, pois só amor não sustenta a família, é preciso salário digno compatível com o grau de responsabilidade que o militar tem. Nós também amamos o nosso país, e muito mais ainda à nossa família, principalmente nossos filhos, que são os filhos do não.
A anarquia vivenciada nestes últimos dias reflete-se na corrupção de um governo irresponsável que vem gradativamente enfraquecendo as nossas Forças Armadas, apoiado por muitos que o defendem. Não somos cidadãs irresponsáveis. Estamos fazendo o que podemos para em parceria resolver esta situação. Anarquia é uma Medida Provisória editada arbitrariamente para tão somente prejudicar os nossos maridos militares e que está engavetada por quatro anos e que ninguém fez nada e aceita passivamente. Acredito que esteja passando da hora de exercermos nossa cidadania. Basta de apenas cumprir ordens e mais ordens. Basta de apenas deveres, nós também temos direitos que precisam ser respeitados.
Somos muito mais que mulheres de militares que deixam pai, mãe, irmãos e todo o parentesco, para ao lado do nosso companheiro enfrentarmos qualquer situação. Somos pai e mãe de nossos filhos, quando nossos maridos partem em missão pela defesa dessa Pátria que não é mais a mãe que esperávamos. Somos mulheres inteligentes antenadas com o mundo e seus acontecimentos e não nos furtamos à justiça.
Lamentamos profundamente o episódio ocorrido e pedimos desculpas a todas as pessoas que sentiram-se ofendidas pela ausência do tão esperado ato espetacular que é a troca da Bandeira. Não estaríamos envolvidas.
Esperamos de V. Excia um comportamento de defesa da tropa a exemplo do Comando da Marinha. Unam-se e exijam esse reajuste integral e retroativo, conforme promessa de governo.
Ninguém, a não ser Deus calará nossa boca diante de tanta injustiça e subserviência. Acampadas há sessenta e oito dias, sem conforto e segurança, deixamos claro que não aceitamos esse reajuste dividido. Caso aconteça, nos manifestaremos no dia do soldado e 07 de setembro.
ATITUDE difere do pensamento quando se concretiza na AÇÃO!
Atenciosamente.
Ivone Luzardo – Presidente da UNEMFA NACIONAL, Diretoria e Equipe de Apoio.

O Reajuste dos militares e a solenidade de substituição da Bandeira Nacional
(Nota publicada no Informativo do Centro de Comunicação Social da Aeronáutica - nº 04/05 - Brasília, 5 de julho de 2005).

Um mês de luta

Hoje faz UM MÊS que estamos acampadas em frente ao CONGRESSO NACIONAL. Mesmo com todas as dificuldades, acreditamos que a união faz a força e a VERDADE TRIUNFA e por isso contamos com as demais esposas que possam nos apoiar e nos fazer uma visita. Hoje durante essa madrugada fria em nosso acampamento orei a Deus para que abra os olhos das nossas companheiras que muito podem fazer por nós. Não vamos desistir, a luta é grande. Mas acreditamos que a vitória pode ser maior ainda... orem por nós e acreditem que se unidas ficarmos, iremos conseguir não apenas o reajuste, mas muito. Só depende de nós.
Jaqueline Macedo

(Topo)

ÚLTIMA PÁGINA

Ensaio fotográfico incorporado à Biblioteca Nacional de Portugal

O ensaio Semana de Vera Cruz encontra-se incorporado ao Projeto “As Viagens dos Portugueses”, contributo da Biblioteca Nacional de Portugal ao Programa Internacional “Bibliotheca Universalis”.
Veja em Biblioteca Nacional Digital – “As Viagens dos Portugueses”.
O Brasil: ontem e hoje.

Site desenvolvido pelo webdesigner Marcelo Pacheco.

Editor e responsável pelo site: José Geraldo Pimentel.
E-mail: jgpimentel@jgpimentel.com.br

(Topo)
 
 
Menção Honrosa para o Lev Pop da Juv.
Invasão do Extra em BH.
Rede Globo.
Depredação de agência bancária.
Policial atingido por molotov.
Cel Chefe policiamento Centro SP.
Clube Militar.
 
 
FRASE DO DIA
“Preciso compartilhar o mundo, e não apenas viver!”
José G. Pimentel
 
SITE PEQUENAS HISTÓRIAS

- Dez anos de história -
25/01/2002 - 25/01/2012.

O nascimento de um site

A Internet é uma vitrina do saber.
Dá visibilidade às idéias e aproxima as pessoas.
A cada dia milhares de sites e blogs são publicados, universalizando o saber.
Quem se aventura nesta mídia tem quase sempre uma proposta a apresentar. Muitos com a vontade pura e simples de compartilhar com as outras pessoas as suas realizações, os seus sonhos, as suas inquietações. Divulgar os seus negócios, trocar experiências em suas áreas de trabalho, enveredar pelo mundo da cultura e das artes, etc. E até para chamar a atenção para o seu ego!
Todos querem acrescentar. Mostrar que não se vive só no mundo. Somos todos partícipes da grande obra da criação, que é a do ser humano!
Neste fantástico mundo da criação também quero estar presente e dar a minha contribuição.
O meu primeiro trabalho na Internet foi o site Fotografia Documental. Com ele os ensaios fotográficos alcançaram maior visibilidade e atingiu o meu objetivo: difundir a minha arte. E qual o artista que cria a sua obra só para si!
Tive o desejo de contar o que se passa por trás de um clique de uma foto. Quis opinar sobre os acontecimentos do mundo em que vivo. Senti a necessidade de abrir um pouco de minha história; recriando na forma de crônicas, episódios de minha vida.
Daí nasceu o blog Pequenas Histórias.
Ele cresceu. Exigiu mais espaço para a apresentação de mais textos e mais fotos. O que resultou na evolução para um site mais ágil e interativo.
A página Pequenas Histórias continuará a dar vida aos meus sentimentos. Seus textos e fotos são a mostra de meu trabalho!
José G. Pimentel

ÍNDICE

Notícias Nacionais.
Notícias Internacionais.
Vídeos.
Links.



Retrospectiva de 2013 no Facebook

Compilação com os meus grandes momentos no Facebook durante este ano de 2013, como eventos cotidianos, publicações populares que compartilhei e publicações nas quais meus amigos me marcaram. Veja a retrospectiva do ano no endereço:
https://www.facebook.com/yearinreview.

ELEIÇÕES NO CLUBE MILITAR

Biênio 2014/2016
Veja.

Chapa Tradição, Coesão e Ação
(Gen Marco Antonio Felício da Silva).
. Entranhas dilaceradas.
. “Os cães ladram e a caravana passa”.
. Considerações.
. Programa de Ação.


Chapa Consolidar e Modernizar
(Gen Gilberto Pimentel).
. Está mais do que na hora de mudar.

Chapa Monte Castelo
(Cel José Gobbo Ferreira).
. Uma palavra sobre os heróis da contra-revolução de 1964.

Chapa Determinação
(Gen Bda Paulo Roberto Corrêa Assis).
. Apresentação.
. Plano de Ação.
. Dados biográficos.


SOLIDARIEDADE

SUIPA

A SUIPA precisa de nossa ajuda!
Sociedade União Internacional Protetora dos Animais.
Visite as suas instalações na Av. Dom Hélder Câmara, 1801, Benfica.
Cep: 20.973-011. Rio de Janeiro - RJ.
Telefone:(21) 3297-8777. E-mail: faleconosco@suipa.org.br.

Ajudar a SUIPA é salvar a vida de centenas de animais!

A SUIPA, que existe há 70 anos, mantém milhares de animais em situação de abandono no RJ. Em 1995, graças a burocracia, perdeu o status de “Entidade Filantrópica” e com isso os impostos se acumularam junto com as dívidas e hoje, eles devem mais de R$ 14 milhões ao Governo Federal que ameaça fechar a entidade caso a dívida não seja paga e abandonar a própria sorte todos os animais que estão ali, cujo o destino será, do meu ponto de vista, a morte. Por isso, precisamos que todos apóiem a SUIPA pedindo, entre outras coisas, o perdão da dívida para o Governo Federal e a reclassificação como entidade de interesse público.
Risoleta Marcondes

INSTITUTO ROYAL

Instituto Royal é ameaçado de nova invasão

Em mensagens no Facebook, ativistas disseram terem visto funcionários nas instalações.

Por meio das redes sociais, ativistas ameaçam fazer uma nova invasão nas instalações do Instituto Royal, em São Roque (SP), para confirmar a inexistência de animais no local. O instituto, que realizava testes de remédios em cães da raça beagle e roedores, foi invadido e depredado duas vezes nos últimos meses para a retirada dos animais. As novas ameaças levaram a direção do Royal a emitir nota no último sábado (30) reafirmando que interrompeu, definitivamente, as atividades na cidade no dia 6.
Em troca de mensagens no Facebook, ativistas disseram terem visto movimento de funcionários nas instalações de São Roque. Uma jovem que se identificou como membro do ALF (Animal Liberation Front), grupo que luta pela libertação animal, sugeriu uma nova invasão e recebeu o apoio de outros ativistas.
- O Brasil é o País dos esquecidos, passa um tempo e fazem tudo de novo.
(R7, 01/12/2013).

Protetores de animais invadem o Instituto Royal e libertam 176 cães que eram usados em pesquisas científicas
. Instituto Royal encerra atividades em São Paulo.
. Invasão que eu aplaudo. (José Geraldo Pimentel).
. Depoimento de Luisa Mell.
. O trabalho de Luisa Mell.
. Jornal da Record News. (Vídeo).
. "Ocupa São Roque".


SUA AJUDA É IMPORTANTE

Dê a sua contribuição:
. Proteção aos animais. (Adote um animal).
. A UNEMFA precisa de nossa ajuda.
. Projeto ‘Desafiando o Rio-mar’.
. Wikipédia, a enciclopédia livre.


SELEÇÃO DE ARTIGOS E CRÔNICAS

Vou dar um beijo nas tuas lembranças.
Ácmon Pimentel Pascoal. (5 anos).

O pensamento livre - ‘Falando ao Coração’
Veja.
. Orgulho de ser brasileiro. (José Geraldo Pimentel).
. Confessando com orgulho... (Arnaldo Jabor).
. Onde está o futuro??? (Mauro Rogério).
. As Forças Armadas não estão omissas! (Paulo Chagas).
. Na “Ditadura Militar”, o povo brasileiro era feliz e não sabia. (Luiz José Mendonça).
. As forças divinas nas selvas amazônicas. (Siro Darlan).
. O Sacrifício de Andrômeda. (Lenilton Morato).
. "Se quiser beber, eu bebo". (Antônio Pedro).
. Facebook, o bem e o mal. (Arnaldo Jabor).


Biografia
Artigo de despedida de D. EUGENIO SALES.
. Fonte de paz.

As Forças Armadas em Foco
Veja.
. Nós existimos para DEFENDER A PÁTRIA. (Sérgio Augusto Pinto de Campos - Cel Inf R/1).
. Nós existimos para DEFENDER A PÁTRIA. (Crítica: Ten Cel Fernando Batalha).
. Prezado Professor Olavo de Carvalho. (José Gobbo Ferreira).
. Dissuasão extra-regional, assim, é só discurso. (Luiz Eduardo Rocha Paiva).
. Estratégias de Defesa Nacional. (Partes I e II).
. Atual situação das Forças Armadas. (Demóstenes Torres).
. Brasil precisa decidir sobre sua capacidade militar. (Jorge Serrão).
. O The END de uma farsa. (Lino Tavares).
. A revolução continuada. (Carlos Vilmar).
. Mensagem de alerta para a presidenta. (Paulo Ricardo da Rocha Paiva).
. Questão de honra. (Olavo de Carvalho).
. Forças carentes. (André Soares).
. Quem poupa o lobo mata as ovelhas. (Luís Mauro Ferreira Gomes).


Carlos Vereza
Artigos.

Circe Vidigal
Artigos.

Geraldo Almendra
Artigos.

DIFERENÇA DE ESTILO

“Estaremos sempre solidários com aqueles que, na hora da agressão e da adversidade, cumpriram o duro dever de se oporem a agitadores e terroristas de armas na mão, para que a Nação não fosse levada à anarquia”.
Gen Ex Walter Pires de Carvalho e Albuquerque
Ex Ministro do Exército.

“Eu não sei se cabe a esses militares gostarem ou não gostarem. Ela (a presidente Dilma Rousseff) é a chefe suprema das Forças Armadas, indicou o ministro e acabou, não se discute. Estou c… e andando para esses caras (os militares). No meu governo, tiveram que me aguentar e viviam me enchendo o saco pedindo migalhas de reajuste. Pediam uma coisa, eu enrolava e nunca dava o que eles pediam; depois dava uma esmola qualquer e não me sacaneavam mais. Não tenho medo deles; nunca tive.
Amorim é o homem ideal, no cargo certo. Ele vai dar um jeito naquele troço (MD). Ele está qualificado para ocupar qualquer pasta.”

Ex presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em entrevista à imprensa em Bogotá, Colômbia.
















Velocimetro RJNET



COTAÇÃO


(Topo)

Notícias Nacionais

Um domingo para entrar na história
(13/11/2011).

Favela da Rocinha, na Zona Sul do Rio de Janeiro. A Polícia Militar hasteia as Bandeiras do Brasil e do Estado do Rio de Janeiro na Curva do ‘S’.
Posse da favela da Rocinha. (Pablo Jacob/O Globo).

DESTAQUE

A Polícia finalmente acordou!

Entrevista no programa Roda Viva com Romeu Tuma Júnior
TV Cultura, 03/02/2014.

Romeu Tuma Júnior é autor do livro "Assassinato de Reputações", que traz denúncias contra o governo do ex-presidente Lula.




Lula revela detalhes de sua malandragem política




O maior inimigo imediato do país é o próprio governo




É black, é bloc, é o PT no caminho, é o caos planejado


Disque-Denúncia (2253-1177)

POLÍCIA, MP E JUSTIÇA EM CONFLITO

Que polícia é essa?

José Geraldo Pimentel

Os órgãos de segurança pública estão todos manietados pelos senhores donos do poder. Qualquer direção de organização dita de direitos humanos reuni-se com as autoridades, quer sejam comandantes de Forças, ou secretários de seguranças públicas estaduais, e as diretrizes são repassadas para a tropa.
. Que polícia é essa? (José Geraldo Pimentel).
. Manifestantes mascarados colocam fogo em ônibus e no Clube Militar. (Marco Antônio Martins).
. 175 integrantes da facção PCC são denunciados pelo MP. (BandNews).
. Justiça nega decretações de prisões e internações no Regime Disciplinar Diferenciado. (O Estado de São Paulo).
. PCC planeja matar o governador Geraldo Alckmin. (O Estado de S.Paulo).

Unificação das Polícias Militar e Civil

José Geraldo Pimentel

Não demora e vai sobrar para as Forças Armadas o policiamento ostensivo nas ruas e logradouros públicos.
Houve arruaça, chamem os militares. Militar faz continência, obedece! Depois é dispensar as FFAA e deixar no lugar a Força Nacional de Segurança Pública, se sobreviver à reformulação que detonará a Policia Militar. O campo já se encontra dominado por grupos para-militares de sem-terra!
. José Geraldo Pimentel.

Justiça Militar
Planeja-se extinguir a Justiça Militar.

VANDALISMO

A tática da guerrilha urbana

Maria Luiz Meyer

A tática de Guerrilha é sempre a mesma, desde a década de 1970.
Formavam-se 2 grupos. Um para manifestar, protestar (universitários, professores, intelectuais, artistas); e outro apenas pra criar a violência.
Éramos armados de porretes, correntes, pedras, que davam para nós.
Bebidas alcoólicas e maconha.
Quando éramos presos; saíamos da cadeia mentindo e dizendo que fomos torturados e as meninas violentadas; tudo para criar uma antipatia contra a policia e o governo.
Este sempre foi o lema da esquerda. Mentir sempre. Inventar sempre.
Hoje estamos revivendo a mesma farsa e mentiras. MPL sai prás ruas para protestar e outro grupo Black Bloc para criar violência; tudo isso bancado por grupos de esquerdas.
Assim funciona o socialismo. Cria divergência entre classes sociais, incentiva o abastecimento de DROGAS, PROSTITUIÇÃO, PRECONCEITO RACIAL, HOMOFOBIA; tudo isso para conquistar ou se manter no poder. Com passar dos anos, é que aquele manifestante irá perceber que foi enganado por um sistema, ilusório e utópico.
Observem que a esquerda sempre inverte a situação. Quando se sente acuada e é desmascarada joga a culpa em seus adversários; e os militantes de mentirinhas acreditam. Pobre Brasil!

Grito da Liberdade


Juiz e artistas globais flertam com os Black Blocs

Vídeo de globais que flerta com black blocs tem a participação de um juiz! (João Damasceno, da 1ª Vara de Órfãos e Sucessões, no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro). É aquele mesmo senhor que pendurou em sua sala gravura que traz um negro na Cruz, no lugar de Cristo, alvejado por um PM. Isso ajuda a explicar o caos.
(...)
. A tática da guerrilha. (Maria Luiz Meyer).
. Grito da Liberdade. (Vídeo).
. Juiz e artistas globais flertam com os Black Blocs. (Reinaldo Azevedo).
. Vandalismo, democracia e fascismo. (O Globo).
. Atraso na reação contra o vandalismo. (Paulo de Tarso Lyra e Étore Medeiros).
. Aumento da vigilância. (Correio Braziliense).

DESTAQUE

Dilma opta por compra de 36 caças Gripen da sueca Saab

Naira Trindade

A presidente Dilma Rousseff finalmente anunciou a aquisição de 36 caças Gripen NG, da sueca Saab, para a Força Aérea Brasileira no programa FX-2. Após dez anos de espera, a sueca Saab vai levar US$ 4,5 bilhões pelos 36 aviões. Em coletiva, o ministro da Defesa, Celso Amorim, a escolha dos suecos levou em conta a performance, a transferência efetiva de tecnologia e o custo. A aquisição das aeronaves, contudo, não é imediata. O cronograma prevê entregas de aviões até 2023.
A negociação com a França já havia sido descartada no sábado, com a visita do presidente François Hollande ao Brasil. O francês Dassault Rafale era o favorito. Mas o preço inicial do pacote sairia mais caro: US$ 8 bilhões. Com isso, o Boeing F/A-18 americano entrou no páreo por causa da oferta mais acessível de US$ 7,5 bilhões. Porém, os escândalos de espionagem da Agência Nacional de Segurança americana ajudaram a derrubar o americano.
(Cláudio Humberto, 18 de dezembro de 2013).


GOVERNO PLANEJA CONFISCO DE DINHEIRO DA CLASSE MÉDIA

Declaração do Deputado Nazareno Fonteles (PT)


COMISSÃO DA VERDADE

Comissários do Povo já interrogam oficiais do Exército

Criação de Centros de Memória
A Comissão Nacional da Verdade (CNV) requisitou, junto com as comissões Estadual e Municipal da Verdade de São Paulo, o tombamento do prédio onde funcionou o Destacamento de Operações de Informações do Centro de Operações de Defesa Interna do 2º Exército (DOI-Codi).
(...)
Tombamentos de prédios para criação de Centros de Memória
. Comissão da Verdade pede tombamento de prédios do antigo DOI-Codi em São Paulo.
. Comissão da Verdade do Rio quer transformar antigo prédio do Dops em centro de memória.
. Comissão da Verdade vai propor que antigo DOI-Codi no Rio seja transformado em centro de memória.

Convocação e condução coercitiva para depor na CNV

"- Se os agentes não comparecerem, acionaremos a Polícia Federal para a realização da condução coercitiva daqueles que faltarem, sem contar que eles estarão sujeitos a responder pelo crime de desobediência", afirmou o coordenador da CNV, José Carlos Dias.
. Comissão Nacional da Verdade.

Na linha da CNV a SEDH / PR investiga as Forças Armadas


PERFIL DOS NOSSOS GOVERNANTES

Cantor Lobão, 56 anos, entrevistado no Roda Viva
Direção Augusto Nunes, TV Cultura, TV Brasil.
(02/12/2013)


Dilma mente e engana o povo, diz Senador Mário Couto (PSDB/PA)
(30/10/2013).


Dilma largou tradutora no Panamá

A presidente Dilma não demitiu antes o ex-chanceler Antonio Patriota por achar que “todos são a mesma coisa”, como diz dos diplomatas. Mas tratava mal a todos, como a tradutora em visita aos EUA que Dilma detestou. Para se vingar do Itamaraty pela viagem pífia, ela abandonou a tradutora no aeroporto da Cidade do Panamá, após escala na viagem de volta. Os colegas da moça, diplomatas, ficaram revoltados.
(...)
. ÍNDICE

Dilma Vana Rousseff
. Dilma mente e engana o povo, diz Senador Mário Couto (PSDB/PA). (Vídeo).
. Dilma largou tradutora no Panamá. (Coluna Cláudio Humberto).
. Gênio difícil de Dilma aterroriza seus auxiliares. (Coluna Cláudio Humberto).
. Dilma sanciona lei que cria o 39º ministério. (Folha de São Paulo).
. Tantos ministérios é loucura. (Folha de São Paulo).
. Ficha pregressa de Dilma.
. Ações do grupo terrorista da presidente Dilma Rousseff.


Luiz Inácio Lula da Silva
. O grande farsante.
. Lula e a Bolsa Família. (Vídeo).
. Juíza de Cajazeiras, PB, é contra a Bolsa Família.
. Elogio da vagabundagem. (Martha de Freitas Azevedo Pannunzio).
. O ex presidente Lula é um gangster. (Heloisa Helena).
. Lula no foco da mídia.

POLÍTICA PARTIDÁRIA

Partido dos Trabalhadores em desgraça em 2014

Numerólogo bíblico, Walter Prado, afirma que os números não mostram uma Dilma vitoriosa. “Ela não ganha, pois tem um nome muito forte que vai aparecer nos próximos dias”. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva “não chegará a 2015 vivo. Ele está morrendo.”

Antero Sóter

“A Dilma (presidenta Dilma Rousseff) não está com toda esta bola que a mídia está apresentando. Não acredito que ela esteja com tanta popularidade (36%). Ela não ganha a eleição em 2014”. A declaração é do numerólogo bíblico Walter Prado, Segundo ele, os números não mostram uma Dilma vitoriosa. “Ela não ganha, pois tem um nome muito forte que vai aparecer nos próximos dias”, diz ele.
Walter Prado, que tem entre seus clientes grandes nomes da música, política, artes e do meio empresarial, além de afirmar que os números não garantem a vitória da presidenta Dilma, acusa as pesquisas que têm sido apresentadas aos eleitores de falhas. Segundo ele, os percentuais são “maquiados” e não representam a verdade. “Ora, ouvir pouco mais de dois mil eleitores e dizer que este número representa mais de 100 milhões de eleitores brasileiros é uma falácia. Estes números estão maquiados. Tudo uma jogada de marketing, nada mais.”
O numerólogo goiano, que deixou Goiânia para viver em uma área rural vizinha à Reserva Indígena Roossevelt, no interior de Rondônia – região cobiçada pela riqueza mineral – tornando-se amigo e confidente dos caciques João Bravo, Paulo e Roberto Cinta-Larga, que estarão em Goiânia nesta semana, também revela que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva “não chegará a 2015 vivo. Ele está morrendo, precisa descansar. Os números apontam isso”, diz.
(Diário da Manhã, 26/10/2013).

COMPORTAMENTO

Educação petista nas escolas públicas

Kit Gay distribuído pelo Ministério da Educação – Ensina as crianças a se iniciarem, sem culpa, na pederastia.


IMPRENSA

As Organizações Globo e a Contra-revolução de 1964

As Organizações Globo para sobreviverem se passam de armas e bagagens para a hoste do governo comuno-petista.

José Geraldo Pimentel

Pensando em sua sobrevivência muita gente se precavêem e mudam de posição política. A fome no atual contexto pode ser traduzida pela manutenção de seus negócios, quando não o passaporte para a liberdade, fugindo do paredão.
Com a queda de Fulgêncio Batista os negociantes de Cuba que não ajudaram o movimento castrista desde o seu início, eram presos e fuzilados na madrugada do dia seguinte. O mundo gritava com o horror que acontecia na ilha, mas o grande maestro Che Guevara lá estava todas as madrugadas comandando pessoalmente os pelotões de fuzilamentos.
A perspectiva é que aconteça no Brasil uma situação análoga ao do país caribenho. Há um clima no ar que faz acreditar numa mudança drástica de forma de governo. Se o establishment se mantiver através das eleições, a República do Proletariado não acontecerá tão de imediato. Mas uma derrota do comuno-petismo levará a uma convulsão social que uma guerra civil será inevitável.
(...).
. As Organizações Globo e a Contra-revolução de 1964. (José Geraldo Pimentel).
. Julgamento da Revolução. (Editoriais de O Globo).
(...)
. Carta do Presidente do Clube Naval ao Presidente das Organizações Globo. (Vice-almirante Paulo Frederico Soriano Dobbin).

TERRAS INDÍGENAS

General Heleno - Programa Canal Livre
(Band, 15/05/2011).

O primeiro comandante das tropas do Brasil no Haiti. Depois, como 4 estrelas, ocupou o importante Comando da Amazônia. Não sendo adepto do PT e do presidente Lula, acabou "congelado" por uma transferência para um cargo burocrático, como forma de calar sua boca.
Um homem com a sua competência, experiência, relevância, ficou jogado numa gaveta até esta semana, quando completou a idade limite para permanecer na ativa e passou para a reserva. Em evento solene, voltou com seu trombone e fez um discurso notável. Sua participação na televisão é tão importante quanto seu discurso.
A defesa das fronteiras, o contrabando, a presença de guerrilheiros, a atuação do exército, a corrida armamentista na América do Sul e a participação brasileira no Hait foram os temas abordados no Canal Livre que recebeu o grande comandante militar da Amazônia, General Augusto Heleno.
( http://oberrodaformiga.blogspot.com/ ).

Demarcação de terras indígenas
. Decisão suspende registro imobiliário da área indígena Kayabi. (STF).
. Regras para reserva Raposa Serra do Sol não têm extensão automática, decide STF. (Valor Econômico).
. Medidas para demarcação opõem governo e Congresso. (Valor Econômico).


IMPORTAÇÃO DE MÉDICOS CUBANOS

Falsos diplomas para guerrilheiros

Existem apenas duas Universidades de medicina em Cuba: La Habana - Forma 200 médicos por ano e Elam - Escuela Latino Americana de Medicina - Forma 100 por ano.
Portanto seriam: 200 + 100 = 300 por ano.
Para juntar 6 mil médicos, seriam necessários todos os médicos formados nos últimos 20 anos, que teriam de estar disponíveis para vir trabalhar no Brasil.
Vão imprimir 6 mil diplomas e mandar agentes da ditadura da família Castro para
formar células revolucionárias no Brasil.
(Alerta Total, 20/05/2013).

COMENTÁRIO
E as Forças Armadas brasileiras? Vão permitir que o governo comuno-petista da ex guerrilheira Dilma Vana Rousseff infiltre 6 mil guerrilheiros cubanos no país, com diplomas falsos de médicos?
Se o Comandante do Exército não se manifestar, vai haver mudança no Forte Apache. Não podemos permitir que se crie dentro da instituição militar um traidor da pátria.
Esse cidadão e seu antecessor já abriram as portas para que uma comissão da calúnia ponha em andamento a criação de um Tribunal de Exceção a fim de julgar os militares que lutaram em defesa da nação brasileira. É muita afronta à instituição militar!
Hoje em dia faltam lideranças militares e sobeja um bando de militares que confunde covardia com disciplina militar.
Esses militares apenas comparecem às solenidades para distribuir medalhas e serem tratados como cachorros!
É isso aí! Quem não se dá ao respeito é pisado no pescoço! E leva chute no traseiro!
José Geraldo Pimentel
Cap Ref EB

Importação de médicos
. ‘Mais médicos’ não consegue decolar. (Diário do Poder).
. Comentário sobre a contratação de médicos cubanos. (Vídeo).
. Médicos cubanos. (Alexandre Garcia).
. Falsos diplomas para guerrilheiros. (Alerta Total).
. Comentário. (José Geraldo Pimentel).
. A saúde no país que exporta médicos para o Brasil. (Cláudio Humberto / José G. Pimentel).
. Manifesto dos Médicos Brasileiros. (Milton Simon Pires).
. Carta à presidente da república Dilma Rousseff. (Milton Simon Pires).


NOTÍCIAS MILITARES

A criminosa e perigosa desativação de bases aéreas

Segundo a desculpa dos irresponsáveis que estão ávidos por desativar quatro bases aéreas no território brasileiro, que situam-se em pontos extremamente estratégicos como Fortaleza, Campos dos Afonsos, Anápolis e possivelmente Florianópolis, a medida será tomada para conter despesas e compensar a compra dos 36 Gripens adquiridos da Suécia. Ora, a entrega do primeiro caça sueco deverá demorar mais de de três anos, até lá ficaremos sem as bases aéreas necessárias à nossa defesa? Se o motivo é contenção de despesas comecem por reverter a importação de milhares de impostores cubanos travestidos de médicos. Somente nessa medida mais de U$ 792 milhões seriam economizados a cada ano se fosse revertida a importação de 6000 agentes marxistas importados de Cuba. Outro meio de economizar, principalmente dentro da FAB, seria a proibição dos voos irregulares que funcionários e ministros de estado requisitam todos os dias consumindo uma fortuna em combustíveis, mobilização de equipes de voo e mecânicos de apoio. As viagens descabidas da presidenta desocupada a lugares onde sua presença só serve para propagandear sua reeleição deveriam estar nesse rol de contenção de despesas. Se contarmos os perdulários gastos com cartões corporativos que determinadas figurinhas carimbadas da República produzem dariam para pagar 5% do valor de compra das 36 aeronaves suecas. Se Dilma Rousseff quisesse economizar e tivesse um mínimo de responsabilidade para com a segurança aérea do nosso território não permitiria tamanho absurdo.
Lourinaldo Teles Bezerra
(Site do Cláudio Humberto).

Gafe no Alvorada

Chefes militares barrados. Comandantes do Exército e da Marinha chegam mais cedo e não entram no Palácio do Alvorada.

A confraternização oferecida pela presidente Dilma Rousseff na sua residência oficial começou com uma gafe: no início da noite, ao chegarem cerca de 45 minutos antes do horário marcado para a festa, o comandante da Marinha, Júlio Moura Neto, e o do Exército, Enzo Martins Peri, foram barrados pela segurança do Palácio da Alvorada.
O encontro estava marcado para as 19h, mas a agenda da presidente foi alterada e o encontro, remarcado para as 19h30m. Uma comitiva de quatro carros que levava os comandantes ao Alvorada foi proibida de entrar no palácio por volta das 18h45m. Mesmo após anunciarem que se tratava dos comandantes, o grupo teve de voltar; foi informado que a entrada só seria liberada às 19h30m.
Logo após os carros dos militares saírem, outros ministros e parlamentares tiveram mais sorte. O ministro do Esporte, Aldo Rebelo; o líder do governo na Câmara, Arlindo Chinaglia (PT-SP); e o líder do PP, Eduardo da Fonte (PE), foram liberados após um pedido de um assessor do Palácio do Planalto.
(A Verdade Sufocada, 17/12/2013).

A discrepância salarial paga pela mesma fonte

O governo não concede revisão nos soldos militares a onze anos, em desrespeito a Lei 10.331, que regulamenta o artigo 37, item X da Constituição Federal. A vingança do governo com os militares consiste em sucatear os equipamentos bélicos e conceder esmolas como pagamento aos militares, com isso um carcereiro de Brasília em início de carreira, ganha mais do que um general de exército com mais de 40 anos de serviço. Este governo é comunista e vingativo.



A inspeção no Doi-Codi/RJ na visão dos militantes da luta armada
. Ministra recebe da Subcomissão da Verdade do Senado roteiro de visitas aos Centros de Tortura.
. O Exército perde a batalha. (Carta Capital).
. Parlamentares e Membros da Comissão da Verdade visitam Doi-Codi no Rio. (Agência Brasil).


CMT DA 1ª DIVISÃO DE EXÉRCITO FECHA O CSSEX DA VILA MILITAR

Clube dos Subtenentes e Sargentos do exército é fechado na Vila Militar

Em dissonância com a preocupação geral em manter unidas as Forças Armadas, quando a instituição militar passa por um momento de crise semelhante ao que viveu na ante-véspera da derrubada do governo João Goulart em 64, o comandante da 1ª Divisão de Exército procura desarmonizar os quadros do Exército. Ele fechou o Clube dos Subtenentes e Sargentos do Exército da Vila Militar, no Rio de Janeiro, tirando a área de lazer de quantos moram na vila de sargentos Max Wolff, vizinha ao clube, e moradores de áreas adjacentes. Motivo: desentendimento com o presidente do clube. O imóvel era cedido em comodato ao clube há mais de 60 anos.


Clube dos Subtenentes e Sargentos do Exército na Vila Militar precisa ser preservado
Deputado federal Paulo Ramos.


Veja o noticiário.

SARGENTO FAZ RAPEL NA PONTE RIO -NITERÓI

Aplausos para o sargento do Exército Vinícius Feliciano Machado

Enquanto o comandante da Marinha disponibilizava fuzileiros navais para retirar merda jogada nos morros cariocas por moradores relapsos, o sargento do Exército Vinícius Feliciano Machado teve uma atitude mais nobre. Ontem, dia 27 de agosto, tentou descer de rapel do vão central da Ponte Marechal Costa e Silva até o mar para chamar a atenção contra a defasagem de salários no Exército e por melhores condições de trabalho.
Esta é a segunda operação de grande coragem e sentido humano realizada em menos de uma semana. O encarregado de negócios da embaixada em La Paz, ministro Eduardo Sabóia, conseguiu a proeza de retirar do país o senador boliviano Roger Pinto Molina. O senador fazia oposição ao governo ditatorial do índio Evo Morales. Ele se encontrava encarcerado em um cubículo guardado por fuzileiros navais na representação diplomática do Brasil em La Paz, enquanto esperava a boa vontade da diplomacia brasileira que só favorece bandidos como o terrorista e assassino Cesare Battisti. ‘O senador estava havia 452 dias sem tomar sol, sem receber visitas’, disse em entrevista à imprensa o diplomata.
Ao sargento Vinícius Feliciano Machado e ao diplomata Eduardo Sabóia os meus mais sinceros aplausos por sua coragem e sentido de humanidade. O Brasil não está perdido, ainda temos gente como vocês!
José Geraldo Pimentel

Protesto do Sargento Vinícius Feliciano Machado




COLAPSO NAS FORÇAS ARMADAS

O comandante do Exército está na penúria, mas não perde a pose

José Geraldo Pimentel

O Comandante do Exército, general Enzo Martins Peri, está empregando cerca de 660 mil reais “na reforma, pintura e conserto hidráulico de seu gabinete em Brasília”, segundo informa o colunista Cláudio Humberto. Comenta ainda o colunista que o prédio ocupado pelo Comando do Exército, na Esplanada dos Ministérios, deverá ser desocupado neste segundo semestre de novembro de 2013, para ceder lugar aos novos ministérios recentemente criados pelo governo. O Forte Apache em sua nova localização é uma construção recente, que, pela lógica, não carece de reformas. A menos que o comandante do Exército queira agradar aos novos ocupantes do prédio do Comando do Exército na Esplanada dos Ministérios com o presente de um gabinete restaurado ao seu gosto e imagem. Nesta hipótese é um desperdício de verba, quando o orçamento para as Forças para o próximo ano de 2014 está projetado para aquém de suas necessidades mínimas de custeios. Há um rombo previsto de 13 bilhões de reais.
Corrijam-me se as instalações que serão ocupadas pelo Comando do Exército são antigas; neste caso se justificaria uma reforma geral no gabinete do comandante do Exército. Mas continuo achando um absurdo fazer-se uma reforma em um gabinete gastando quase um milhão de reais. Um vinte avos do total que vai fazer falta ao orçamento das três Forças em 2014.
Aí vem o motivo porque tantos militares estão se passando de armas e bagagens para o lado do governo. Os chefes militares são agraciados com pequenos agrados para efeitos de reformas em unidades militares, e o principal: a modernização dos equipamentos e a penúria dos soldos da tropa, vão ficando para trás. Os carreiristas manuseiam com as mãos leves essas verbas e ficam felizes com o governo. ‘Faz parte’, como diria aquele participante do Reality Show da Globo.

Rio de Janeiro, 09 de novembro de 2013.

Forças Armadas em situação de penúria
Senadora Ana Amélia (PP/RS).


Orçamento militar previsto para 2014 não atende sequer ao custeio

Em nota enviada ao Congresso, Forças Armadas apontam defasagem de R$ 13 bi para "necessidades mínimas".

Eliane Oliveira

Uma nota técnica elaborada pela área militar, encaminhada à Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional do Senado, mostra um cenário dramático para as Forças Armadas brasileiras em 2014. 0 documento, que servirá de subsídio para uma audiência pública hoje, aponta diferença de R$ 13,650 bilhões entre o que as três armas consideram como "necessidades mínimas" e o que está previsto no Orçamento para o ano que vem. Os militares pedem R$ 29,828 bilhões, mas os recursos com os quais poderão contar somam R$ 16,178 bilhões.

Risco à segurança do pré-sal
"Os recursos do Orçamento da União que vêm sendo destinados nos últimos anos à Defesa não estão sendo suficientes para atender sequer ao custeio das Forças, a exemplo da manutenção de equipamentos, e muito menos aos projetos contemplados na Estratégia Nacional de Defesa" diz a nota.
- O Exército alerta, no documento, que entre as consequências para a falta de recursos está o enfraquecimento da segurança na faixa de fronteira, especialmente na Amazônia e no Centro-Oeste. O Exército aponta problemas de aquisição de munição de todos os calibres e também se diz preocupado com os sistemas de defesa antiaéreo e cibernético.
- A Marinha afirma que diversos projetos, entre eles a construção de navios -patrulha de 500 toneladas para prover segurança na área do pré-sal e a reconstrução da Estação Antártica, estão comprometidos. Segundo a Marinha, há uma forte demanda reprimida na manutenção da Esquadra, o que causa aceleração da defasagem tecnológica, perda de mão de obra qualificada e aumentos significativos nos custos de operação.
- A Aeronáutica informa que estão paradas 346 de 624 aeronaves com capacidade de operação. Ela é responsável pela proteção de um espaço aéreo que vai além do próprio território brasileiro, uma dimensão de 22 milhões de quilômetros quadrados, elenca como prioridades que não podem ser desprezadas o Veículo Lançador de Satélites (VLS); a compra de cargueiros para a substituição imediata das aeronaves KC-137 (Boeing 707 adaptado para fins militares); a aquisição de 28 aeronaves KC 390; e a modernização do caça F-5.
A nota técnica, elaborada pelos comandos das três forças, ressalta que são preocupantes os baixos valores previstos para o Orçamento de 2014, "insuficientes para as necessidades mínimas de cumprimento das missões constitucionais". Os recursos, afirmam, são insuficientes até mesmo para o custeio, como a manutenção de equipamentos, e para os projetos contemplados na Estratégia Nacional de Defesa.
- O senso comum associa as Forças Armadas apenas ao combate e à defesa do país em tempos de conflito, ignorando o trabalho dessas mesmas forças em tempos de paz, na proteção de interesses nacionais e no dia a dia do brasileiro. O problema é que os recursos vêm sendo liberados e executados a conta-gotas - comentou o presidente da Comissão de Relações Exteriores do Senado, Ricardo Ferraço (PMDB-ES).

Sofisma: Aumento de 326% em 10 anos
Ele lembrou que, recentemente, o ministro da Defesa, Celso Amorim, declarou que gostaria que os gastos do Brasil no setor aumentassem de 1,5% para 2% do Produto Interno Bruto (PIB, soma dos bens e serviços produzidos no país). A expansão poderia se dar em um período de dez anos.
Considerado um dos projetos estratégicos do Exército, o Sistema de Monitoramento de Fronteiras (Sisfron) tem prazo de dez anos para ser implantado. Radares e sensores instalados em trechos-chave da fronteira nacional vão ser capazes de captar e transmitir informações em tempo real sobre ações de criminosos na fronteira brasileira, com a participação da Polícia Federal, do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), da Receita Federal e de vários outros órgãos federais, estaduais e municipais. O Sisfron, hoje em fase inicial, está orçado em tomo de R$ 12 bilhões.
De acordo com a Defesa, apesar das dificuldades "que também atingem outros ministérios" houve aumento substancial de recursos para a pasta na última década: a verba para custeio e investimentos subiu de R$ 4,6 bilhões em 2003 para R$ 19,6 bilhões (número divergente do da nota da área militar), como previsto no projeto de lei orçamentária para 2014 (R$ 16,178 bilhões). Isso significa uma expansão de 326%.
(O Globo, 07 Nov 2013).

Defesa em tempos de paz
Ricardo Ferraço.

Armamento e pesquisa sem apoio governamental
. Mirage da FAB para de voar em dezembro.
. O perigo do atraso na compra dos caças.
. Militares reclamam da penúria da Aeronáutica.
. Base de Alcântara não deslancha.
. Submarino nuclear só para 2025, se o projeto andar.

Salve Jorge

O núcleo dos militares em Salve Jorge é sucesso puro. Théo (Rodrigo Lombardi), Érica (Flávia Alessandra), Élcio (Murilo Rosa), Márcia (Fernanda Paes Leme) dão o que falar. Além do talento dos atores, esse sucesso só é possível graças à parceria entre o Exército e a produção da novela.
Mas essa parceria começou antes mesmo do início da novela, com workshops e laboratório nas instalações do Exército, incluindo a famosa Academia Militar das Agulhas Negras (AMAN). O diretor de núcleo da novela, Marcos Schechtman, é só elogios aos novos amigos. O ator Oscar Magrini, que interpreta o coronel Nunes, adorou a experiência na AMAN.
"- Foram cinco dias, dirigimos cascavel, atiramos com fuzil. Foi muito bom. Gostaria de voltar se possível", conta o ator.
“- Foi fácil trabalhar lá. A gente conseguiu botar em cena a verdade desse universo", comentou Schechtman.
A boa relação continua rendendo frutos. Um dos regimentos da Vila Militar no Rio de Janeiro serve de locação para a novela.
“- Aproveitamos a movimentação natural do regimento, a grandiosidade do exército”, observa o diretor.
(O Globo / G1, 09/02/2013).

COMENTARIO
Queria render as minhas homenagens à escritora Glória Perez, autora da novela, pelo brilhante folhetim, que retrata de uma maneira natural a vida na caserna e seus personagens, que são cidadãos comuns, como quaisquer outros brasileiros. O militar ama, trapaceia, banca o herói e faz o que todo ser humano faz. É gente!
José Geraldo Pimentel

POLÍCIA SECRETA DO ESTADO (GESTAPO / PT) EM AÇÃO

O silêncio dos Militares e a Força Nacional paramilitar do PT
Rafael Merlo.

TEMPOS MODERNOS

Comandos Militares desalojados da Esplanada dos Ministérios

José Geraldo Pimentel

As Forças Armadas serem comandadas por indivíduos que confundem covardia com disciplina militar, dá nisso. São desalojados de suas sedes na Esplanada dos Ministérios. Qualquer secretariazinha, como a Secretaria da Micro e Pequena Empresa, recém criada, ocupa parte das instalações do Comando do Exército.
O governo Dilma, - ‘Nossa PRESIDENTA Dilma Rousseff’, nas palavras do puxa-saco do comandante do Exército, Enzo Martins Peri, em sua última Ordem do Dia referente ao Dia do Exército, - tem um total de 39 (trinta e nove) ministérios, assim grupados: 24 ministérios propriamente ditos e 9 secretarias da Presidência e 6 órgãos com status de ministérios (ligados à Presidência da República).
O grande negócio da criação de tantos ‘ministérios’ é agradar aos partidos que dão sustentação política ao governo e garantir à presidente Dilma, no projeto de reeleição, mais tempo de TV no programa eleitoral do ano que vem. A última secretaria lhe garantirá mais 1 minuto e 39 segundos de tempo de TV.
Mas os nossos chefes militares não sabem o que seja ter dignidade. São mandados desocupar os prédios construídos para sediar as Forças, na Esplanada dos Ministérios, e obedecem sem ao menos ponderar a inconveniência e o transtorno que acarreta este tipo de movimentação. E o desgaste moral para a instituição militar. Apenas obedecem.
É a moda dos tempos em que ser tratado e agir como cachorro dá dividendo. Que o diga o ex comandante do Exército, General de Exército Francisco Roberto de Albuquerque, vulgo ‘Chiquinho do PT’.

Novo gabinete de Afif funcionará em prédio do Exército, na Esplanada

O ministro da recém-criada Secretaria da Micro e Pequena Empresa, Guilherme Afif Domingos (PSD), terá seu gabinete montado em metade de um andar do prédio até então ocupado pelo Comando do Exército, na Esplanada dos Ministérios. Segundo o Exército, no segundo semestre deste ano tanto o prédio principal quanto o anexo estarão desocupados pela Força. De acordo com reportagem do Estadão, a desocupação de prédios dos comandos militares não vai parar por aí. Antigos ministérios - e hoje comandos da Aeronáutica e da Marinha - também terão novas sedes fora da Esplanada.
(Cláudio Humberto, 13/05/2013).

DEBANDADA DAS FORÇAS ARMADAS

A grita dos oficiais

A partir de histórias de bastidores e do número de desistências de servidores qualificados das Forças Armadas, uma pergunta se impõe: qual é de fato a estratégia do governo Dilma para a área militar? Enquanto tal resposta não vem, a Defesa perde, cada vez mais, gente preparada.

Leonardo Cavalcanti

Um pacto de silêncio foi quebrado. Integrantes da elite das Forças Armadas decidiram falar pela primeira vez sobre a fuga de talentos para a iniciativa privada e para outras áreas do serviço público. Internamente, a preocupação com o tema levou o Exército a preparar estudos para explicar o óbvio: o percentual das desistências, iniciadas há pelo menos sete anos, sempre esteve ligado aos baixos salários. Com as ofertas cada vez mais tentadoras vindas de fora dos quartéis, apenas no ano passado, 245 oficiais abandonaram o posto — um número quase constante e iniciado em 2006, segundo levantamento apresentado na reportagem publicada por este Correio no último domingo.
A partir de relatos de coronéis e capitães, dados de forma anônima, e histórias de quem largou a farda, foi possível montar um quadro atualizado da situação das Forças Armadas no país. Nos primeiros três meses deste ano, 54 oficiais já deixaram a Marinha, o Exército e a Aeronáutica. A reportagem, assinada por Karla Correia, apresenta comparações de salários. Numa delas, pilotos de caça com a patente de coronel se aposentam com rendimentos líquidos de R$ 9,3 mil, incluídos soldo e adicionais. Pilotos de helicópteros, a depender do tipo de serviço, podem receber R$ 25 mil mensais. O debate aqui está no tanto que o Estado investiu na capacitação dos militares nas escolas de formação.
Cálculos conservadores apontam que a União gasta R$ 1,2 milhão para formar um oficial em uma das cinco instituições de ensino militar: as academias Militar das Agulhas Negras e a da Força Aérea, a Escola Naval e os institutos Militar de Engenharia (IME) e Tecnológico da Aeronáutica (ITA). Assim, concordamos em pagar pelo ensino de uma elite militar que abandona o barco. A culpa, porém, parece não ser dos militares. “Deixei o coração no Exército, mas a pátria não começa no quartel, ela começa na família. E quando a família sofre, não tem vocação militar que aguente”, diz um dos entrevistados. O mais significativo é a incapacidade de o serviço público segurar talentos e gente preparada.
Sem funcionários capacitados e criativos, é impossível para qualquer gestor definir prioridades e ações de políticas públicas. Ao perder cérebros nas Forças Armadas, o Brasil perde também a possibilidade de aplicar estratégias de defesa, principalmente como guardiã das fronteiras e da plataforma continental. Tudo piora com uma tropa desestimulada. Ao longo de uma conversa com o Correio, um coronel resumiu o conflito nos quartéis: “Nada pior para um profissional do que atuar sem perspectiva de futuro. É assim que vivemos”. Uma pergunta se impõe: qual é de fato a estratégia do governo Dilma para a área militar? Enquanto tal resposta não vem, perdemos oficiais.
(Correio Braziliense, 13 de abril de 2013).

PETRÓLEO

Leilão do Campo de Libra
. Só uma greve geral salvará o Campo de Libra. (José Geraldo Pimentel).
. No fundo do poço. (Cláudio Humberto).
. O Clube Militar no tempo. (General Pimentel).
. Sem capital, Petrobras será “laranja” das estatais chinesas de petróleo. (Ronaldo Caiado).
. O leilão de Libra e suas implicações. (Ronald Santos Barata).
. Com entrega de reserva estratégica de Libra, Dilma deve arrumar mais dívidas para o Brasil e a Petrobras. (Jorge Serrão).
. O leilão de Libra foi um jogo de cartas marcadas, diz presidente da AEPET. (Hélio Lopes).
. O estrago petista na Petrobrás. (Marco Antonio Pinto de Faria).


A Petrobras pede socorro para não falir

Lourinaldo Teles Bezerra
Cel EB

Em meus 65 anos de idade nunca ouvi dizer que a Petrobras tivesse atrasado seus compromissos com seus fornecedores ou com quem quer que fosse. Hoje, dia 31/01/2013, está publicado no Estadão, que a estatal - menina dos olhos dos brasileiros - não consegue pagar seus fornecedores e parceiros prestadores de serviços. Isso é o princípio da derrocada de uma empresa que surgiu na era getuliana, cresceu e se tornou mundialmente conhecida durante o Regime Militar, por sua especialização em explorações petrolíferas em grandes profundidades no oceano, e hoje está condenada à falência, caso o povo brasileiro não a socorra. A Petrobras cresceu, tornou-se uma das maiores petrolíferas do mundo, mas com a ascensão do bandido de Caetés e sua desgraçada quadrilha, a empresa vem definhando, sendo assaltada e dilapidada em seu patrimônio há 10 anos. O auge dos assaltos à estatal do petróleo se deu na gestão do sindicalista Sergio Gabrielli, quando sofreu sua primeira grande desvalorização em relação as outras companhias petrolíferas. Em apenas 3 anos a Petrobras perdeu 40% do seu valor.
(...)
Enquanto isso acontece, os atuais militares assistem a tudo sem se importarem com o compromisso e o juramento que prestaram quando receberam suas espadas no pátio da envergonhada Academia Militar das Agulhas Negras; envergonhada por conta da placa que a desmoraliza e aos seus fundadores, mandada colocar por uma degenerada petralha.
O país, abandonado por seus filhos bastardos de fardas e sem elas!

A Petrobras e o Brasil pedem socorro!
Veja mais.

FRAUDE NA LOTERIA

Internauta antecipa resultado da Mega Sena da Virada

Suposta fraude na Mega-Sena é um dos assuntos mais comentados nas redes sociais nesta quinta-feira (3). Isso porque no dia 15 de dezembro, 16 dias antes do sorteio do prêmio da virada, um perfil na rede social Orkut, registrado com o nome "[L12] J.", fez um comentário na comunidade Cartola FC que afirmava assertivamente a cidade de um dos vencedores.
Teor da mensagem postada no Orkut:
"Eu não deveria estar falando isso aqui.
Mas meu tio é um dos diretores responsáveis pela Mega da Virada.
Ele me afirmou que, neste ano, o ganhador vai ser da cidade de Aparecida de Goiânia.
Podem printar".

O sorteio, que ocorreu no último dia do ano de 2012, contemplou três pessoas no valor de R$ 81,594 milhões, segundo informações da Caixa Econômica Federal. As apostas dos vencedores foram feitas em Franca, São Paulo (SP) e, assim como previsto pelo usuário do Orkut, um ganhador registrou seu "palpite" em Aparecida de Goiânia (GO).
Veja.

GUERRILHA

O retorno da guerrilha

O Brasil tem guerrilha, e a ABIN tem conhecimento, mas as autoridades nada fazem, permitindo que o movimento cresça.
ISTOÉ entra na base da Liga dos Camponeses Pobres, um grupo armado com 20 acampamentos em três Estados, que tem nove vezes mais combatentes que o PCdoB na Guerrilha do Araguaia e cujas ações resultaram na morte de 22 pessoas no ano passado.
Veja mais...

Ações do grupo terrorista da presidente Dilma Rousseff
Veja.

Falcão - Meninos do tráfico
“Se eu morrer, nasce um outro que nem eu, pior ou melhor. Se eu morrer, vou descansar, é muito esculacho nessa
vida”.

Documentário dirigido pelo rapper MV Bill e Celso Athayde.
Soco no estômago - Raquel Stivelman.

"Não deixe um traficante adotar o seu filho."
Anti-Drogas Denúncia Anônima - Fone: (0800) 11-1718.

Noticiário completo
Veja.
. Homossexualismo.
. Roraima e o atraso econômico.
. A Bolsa Família e a inclusão social do governo petista.
(...)
. O BNDES, Venezuela, Cuba e Paraguai.


(Topo)

Notícias Internacionais

“O socialismo dura até acabar o dinheiro dos outros.”
Margaret Thatcher, ex 1ª Ministra da Grã-Bretanha.

Cuba - A realidade
Ana Paula Padrão - SBT

Parte I - 27/12/2013


Parte II - 28/12/2013


Parte III - 29/12/2013

EMBAIXADA BRASILEIRA TRANSFORMADA EM PRESÍDIO DE ASILADO POLÍTICO

Senador Molina é retirado da embaixada brasileira na Bolívia e chega à Brasília

José Geraldo Pimentel

Democracias que existem em países como Cuba, Venezuela e Bolívia só são boas em discussões em uma mesa de bar regadas a doses de uísque por intelectuais esquerdistas, que amam os dirigentes dessas prisões a céu aberto, mas lá não morariam sob hipótese alguma. Atletas cubanos que participavam de evento no Brasil tentaram fugir dos horrores de Cuba, mas foram capturados e devolvidos ao ‘paraíso’ cubano. Agora o senador boliviano Roger Pinto Molina que se opõe ao regime do ditador Evo Morales, conseguiu refugiar-se na embaixada do Brasil em La Paz e lá permanecer por diversos meses. Esta semana o encarregado de negócios da embaixada em La Paz, ministro Eduardo Sabóia, num lance espetacular, retirou da Bolívia o senador e o trouxe para o Brasil. Na fuga o diplomata passou por cinco controles militares, inclusive na fronteira, retirando do inferno bolivariano o senador Molina.
(...)
. Senador Molina é retirado da embaixada brasileira na Bolívia e chega à Brasília.
. A comandante-em-chefe das FFAA não chefia, denigre.
. Quem deveria sentar no banco dos réus.
. Encarregado de negócios na Bolívia, numa operação espetacular, retira da Bolívia o senador oposicionista Roger Pinto Molina.
. Atuação de fuzileiros navais na embaixada brasileira na Bolívia.

Embaixada encarcerava asilado político
Veja.

Incidentes na Bolívia
Veja.

ESPIÃO AMERICANO FUGINDO DA JUSTIÇA DOS EUA

Não há jeito fácil de ex-técnico da CIA chegar a países que lhe concederam asilo

A Rússia já deixou claro que não impedirá sua saída do país; Venezuela, Nicarágua e Bolívia também já concederam asilo a ele; e até mesmo o ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, disse ontem que ele poderia ser ouvido sobre as denúncias de que os Estados Unidos espionaram largamente o Brasil e seus habitantes. Mas ligar todos os pontos entre Moscou - em cujo aeroporto internacional está abrigado desde o dia 23 de junho - e Caracas, Manágua ou La Paz continua sendo um desafio para Edward Snowden, o homem mais procurado pelos Estados Unidos no momento, depois de ter sido o responsável pelo vazamento de grande quantidade de material secreto sobre a atividade espiã americana em todo o mundo.
(...)
(O Globo, 11/07/2013).

Conversa a dois
- É, capitão Pimentel. Minha situação está preta. Se conseguir asilo na Bolívia, vou plantar maconha. Se aterrissar na Nicarágua serei guerrilheiro. E se aceitar o asilo da Venezuela, passarei fome o resto da vida. Lá se importa até papel higiênico. É um país falido.
- Edward Snowden, banca o Lula. Diz que vc praticou apenas um pequeno deslize e se livra da prisão.
Veja mais.

Noticiário internacional completo
Impeachment do presidente do Paraguai
. Mais um governo populista deposto. (José Geraldo Pimentel).
. Preocupante: quais serão as ordens da comandanta Dilma Rousseff? (Fernando Batalha).
. 'O Brasil tem de respeitar a nossa escolha, feita segundo as nossas leis'. (Entrevista com o senador paraguaio Alfredo Luis Jaegli).
. Brasiguaios pedem que Dilma apoie novo líder. (Valor Econômico).
. Quem vai ser o Lugo amanhã? (Jorge Serrão).


O que vai pelo mundo
. Os últimos países socialistas na Europa.
. Dilma discursa na Assembleia Geral da ONU.
. Bicentenário da Independência da Venezuela.
. Brasil adere resolução anti-Líbia da
ONU.
. A guerra do petróleo.
. Intolerância e violência contra a mulher.
. Tragédia no Japão.
. Site WikiLeaks é indicado para o Prêmio Nobel da Paz.
. Lula defende presidente do Iran.
. O governo e as FARC.


(Topo)

Vídeos

ÍNDICE

. PNDH-3.
. As igrejas contra o PT.
. Opiniões políticas.
. Cerceamento de expressão.
. Presidente Dilma Rousseff.
. Governo do ex presidente Lula.


A Bolsa Família e a incoerência do presidente Lula

A essência do programa Bolsa Família.

“Os planos do PT pra esse governo, eu acho que eles começaram com a primeira eleição do Lula. A perpetuação do PT no poder. Com o Lula ou com terceira pessoa. Eu me lembro na ocasião em que começaram a falar do bolsa família e tal, eu perguntei ao José Dirceu: “Mas como é que vocês entendem essa questão da bolsa família… porque o Lula sempre falou que as pessoas precisavam ter 3 refeições, o café da manhã, o almoço, o jantar e tal… é nessa linha, ou educar ou não e tal…” E ele me disse: “Olha, você já pensou o que representa isso em matéria eleitoral? Nós vamos beneficiar 12 milhões de famílias, por exemplo. 12 milhões de famílias são mais de 40 milhões de votos.” É isso que é a bolsa família. Quer dizer, não há nada mais profundo do que o problema eleitoral. Quer dizer, você recebe dinheiro pra votar”.
Hélio Bicudo.


Vídeos
Veja mais.

(Volta)

Links

Blogs
Félix Maier.
Libesfera. (Lista de sites).
Lígia Leal.
Montedo.
Orion Alencastro.
Reinaldo Azevedo.

Sites
Alerta em Rede.
Alerta Total.
A Verdade Sufocada.
Defesa@Net.
Inconfidência.
Infomix.
Mídia Sem Máscara.
Opus Dei.
PNBE.
Prosa &Política. (Andréa Haddad).
Ternuma.
Transparência Brasil.
Tribuna da Imprensa.

Ética na Política
Instituto Millenium.
Observatório da Imprensa.

Notícias de interesse das FFAA
Resenha Diária do Ministério da Defesa.
Resenha OnLine (Exército).

(Topo)
 
 
Copyright: © José G. Pimentel - Todos os direitos reservados.